A DESCOBERTA DE UM PRATO NOVO É MAIS IMPORTANTE PARA
A FELICIDADE DO GÊNERO HUMANO DO QUE A DESCOBERTA DE UMA ESTRELA
BRILLAT-SAVARIN, fundador da crítica gastronômica na França.

O QUE É GASTRONOMIA?

A arte de cozinhar bem ou a ter prazer com boa comida pode ser a definição de gastronomia, já que esta é uma arte que exige conhecimento não só de quem a executa como a formação do paladar de quem a aprecia.

Para se saber mais sobre gastronomia, a chef Renata Braune, formada na Cordon Bleu (Paris), e que possui mais de 15 anos de experiência neste ramo, já tendo viajado pelos quatro cantos do mundo, escreveu seu primeiro livro: “O que é gastronomia”. Lançado pela Editora Brasiliense, a obra da coleção Primeiros Passos, mostra que a gastronomia não é um tema elitizado mas,  sim, cultura, expressão e arte de um povo.

Além da necessidade básica do homem em se alimentar, ele como ser social, que vive em comunidade e é também, um ser estético, que precisa não só alimentar o corpo, mas seu espírito também. Quando o homem começa a preparar seu alimento com arte, esta experiência passa para um outro plano, para o prazer de seus sentidos. Aí, começa a gastronomia, que engloba um conjunto harmonioso de textura, aroma, sabor, cores, temperatura e etc.

Esta arte é diferente da música, da literatura por exemplo, que quando terminados não se deterioram. A gastronomia não, ela tem um tempo para tudo e este, é efêmero. Um prato preparado com todo carinho e cuidado, se degustado fora deste tempo, perde suas qualidades. Em seu livro, Renata revela estes aspectos da gastronomia: o sócio- econômico e psicológico.

A gastronomia é uma forma do homem manifestar sua cultura na alimentação. Faz parte dela elementos mais simples, como a mandioca, aos mais sofisticados como a lagosta.

PARA UM HOMEM SER FELIZ BASTA UMA OLIVEIRA,
UMA VINHA E UMA FIGUEIRA AO LADO DE SUA CASA
HOMERO, poeta grego

Renata faz uma descrição também da origem e evolução da gastronomia, além de abordar temas específicos como enogastronomia, que é o casamento de pratos e vinhos.

Com redação de Silvia Cintra Franco, “O que é gastronomia” traz um capítulo especial sobre a história dos restaurantes, que tem origem na Revolução Francesa. Segundo a autora, o termo restaurante é originário do “bouillon restaurant”, o caldo restaurante. “O caldo, presente desde a Idade Média em albergues e tavernas populares, era conhecido por restaurar os que o bebiam”, afirma Renata.

Um outro tema abordado é a crítica gastronômica. “Com o acesso do público à cozinha dos grandes chefs nasceu, em 1802, um novo gênero literário: o da crítica gastronômica e os primeiros textos dedicados a avaliar e divulgar os pratos dignos de ingressarem no mundo da gastronomia”, detalha a chef.

Renata Braune revela o que é gastronomia brasileira, quais os ingredientes que fazem parte dela. Um dos destaques e diferenciais da obra é o capítulo que trata da presença feminina no mundo da gastronomia — um território predominantemente masculino. Apesar do trabalho na cozinha ter sido preferencialmente feminino, à mulher era dado o espaço doméstico. As portas das tabernas e dos grandes restaurantes lhes eram proibidas, assim como, os chefs barraram por muito tempo a entrada feminina à alta gastronomia. Diziam que lhes faltavam paladar, sensibilidade e outros atributos biológicos. Renata mostra em seu livro quando este panorama começa a mudar.

No final do livro há um pequeno dicionário histórico das denominações culinárias mais comuns.
 
Renata Braune está no Brasil há 14 anos é a responsável pelo menu do restaurante francês Chef Rouge, tradicional
em São Paulo.

O que é Gastronomia, de Renata Braune,  Editora/Coleção: Editora Brasiliense, Coleção Primeiros Passos tem 104 páginas e custa R$ 16. As citações feitas nesta área foram tiradas deste livro.

 NOVIDADES NA NUTRIÇÃO

Durante o II Congresso Brasileiro de Nutrição Integrada-CBNI/Ganepão, realizado de 14 a 16 de junho passado, em São Paulo, especialistas abordaram temas bastante interessantes, como o da dieta rejuvenescedora.

A relação dos alimentos com o envelhecimento precoce e suas propriedades de manter a jovialidade por mais tempo foram explicadas pelo nutricionista Marcelo Ferro, responsável pelo setor de nutrição da clínica Healthy.

Todo mundo sabe que envelhecer é inevitável, mas o que muitos não sabem, é que hábitos irregulares ou equivocados na alimentação podem antecipar este processo. O macarrão, prato tão familiar no almoço de domingo, é um típico exemplo. Apesar de rico em carboidratos (componente alcalino), quando misturado ao molho de tomate (substância ácida), torna a digestão muito mais difícil. Obriga o organismo a gastar um elevado nível de energia, fato que pode enfraquecer drasticamente as células. Uma alternativa recomendável para quem não abre mão de uma massa é a troca do molho de tomate por alho e óleo, ou ainda por vegetais, como no Yakisoba, servido em restaurantes orientais.

Analisando já há alguns anos, a relação entre a combinação de alimentos de caráter ácido (carnes vermelhas, ovos e molhos) e alcalino (batata, mandioca e massas) com o envelhecimento precoce, Marcelo concluiu que  quando existe mistura entre esses dois tipos de proteínas, o organismo necessita de mais energia para a digestão. O fato faz com que haja um conflito digestivo e a célula fique defasada energeticamente.

Segundo o nutricionista, há evidências clínicas que indicam que quanto menos energia é gasta no processo digestivo, maior é longevidade. Com o acompanhamento de pacientes com fibromialgia encaminhados pelo grupo de dor do Hospital das Clínicas de São Paulo, foi possível observar que a dor muscular, típica desses casos, estava relacionada com a deficiência de ATP, substância que atua no armazenamento de energia.

- “Após adotar dietas regulares quanto ao consumo de componentes de digestão ácida e alcalina, percebemos que o processo de fabricação de ATP ficou mais rápido e os pacientes passaram a sentir menos dor”, Marcelo explica. Isto se aplica também a atletas olímpicos que, também demonstraram melhoras relacionadas ao potencial energético.

- Quando há combinação entre os dois alimentos, a enzima de um interrompe a ação do outro. O que fazemos, ao elaborar as dietas, é separar o consumo destes elementos a fim de permitir que o processo digestivo seja facilitado, conclui. Sua dica principal é que na hora da refeição, os alimentos alcalinos, ricos em amido (batata, mandioca, arroz, cereais e carboidratos), sejam digeridos nas entradas.

- Comece com eles e, depois, adicione as proteínas de origem animal (carnes e ovos). Alimentos neutros, como agrião, alface, chuchu e outros vegetais, podem ser consumidos tanto com amidos, quanto com proteínas de origem animal.  

A NUTRIÇÃO DO ATLETA IDOSO

Durante o evento nutricionistas destacaram a importância da alimentação diferenciada para os idosos na prática de exercícios físicos. Atividade física e nutrição são assuntos inerentes, ainda mais quando se trata da terceira idade. Para esse grupo específico, a prática esportiva contribui com o condicionamento muscular, e como complemento, a alimentação deve respeitar as individualidades gastrointestinais, desde as limitações na mastigação, preparo e aquisição de alimentos.

A ingestão adequada de nutrientes é uma aliada na redução do risco de lesões, de queda de imunidade e desequilíbrio hormonal relacionados a treinamentos intensos. Com a recuperação dos músculos, é possível adquirir mais massa muscular, diminuir gordura corporal, com ganhos para saúde e ainda para estética, trazendo bem-estar, maior integração social e melhora de auto-estima.

A dra. Tânia Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva mostrou os benefícios da dieta na recuperação e performance do atleta, especialmente aquele com idade mais avançada.

“Os conceitos modernos de nutrição esportiva são importantes não apenas para os atletas profissionais; a população em geral necessita manter uma dieta regular, saudável e compatível com as necessidades energéticas e nutricionais acrescidas no esporte”, ponderou a especialista.

Em geral, os idosos são considerados mal nutridos, uma vez que o apetite, o paladar e o olfato diminuem com o passar dos anos, e a comida perde um pouco do seu atrativo. Cálcio para manter os ossos saudáveis, fibras que previnem a prisão de ventre e zinco para compensar a redução de imunidade são alguns nutrientes essenciais às suas refeições.

De acordo com ela, a prescrição deve ser individualizada e adaptada ao objetivo do paciente, ao tipo de treinamento, ao nível de condicionamento, à freqüência de treino, entre outros fatores. As variáveis individuais, assim com as condições físicas limitantes, devem ser consideradas, pois, a partir desses dados, o nutricionista pode diminuir ou aumentar a ingestão calórica, incluindo as quantidades protéicas, além de fracionar as refeições em cinco ou oito/dia e melhorar ou manter as condições de hidratação.

NO INVERNO NÃO ENTRE
EM CONFLITO COM A BALANÇA

O frio chegou e com ele as tentações gastronômicas. O grande número de opções no cardápio é um convite à comilança, problema agravado pelo fato do apetite aumentar naturalmente com as baixas temperaturas. É que no frio o organismo precisa de mais energia para produzir os níveis ideais de calor. O resultado é que, não raramente, o inverno se vai e deixa uns quilinhos adicionais de lembrança.

Segundo a nutricionista do GANEP Nutrição Humana e mestre em nutrição pela Faculdade de Medicina da USP, Luciana Zuolo Coppini, há um grande equívoco quanto à alimentação durante este período.

- Sob nenhuma circunstância, comer em demasia é bom, em especial quando se trata de produtos gordurosos. É verdade que necessitamos nos alimentar um pouco mais no inverno. No entanto, é essencial ter critérios para escolher o alimento adequado e a sua respectiva porção, segundo sua explicação.

A alimentação adequada é uma grande aliada da boa saúde. Portanto, é necessário entender que, em qualquer época do ano, é fundamental manter um cardápio equilibrado - sempre com a presença de carboidratos, proteínas, fibras, vitaminas e minerais.

Para aproveitar todos esses nutrientes e manter a forma e a boa saúde, evitando o surgimento de doenças graves como hipertensão e obesidade, além de contribuir com eventos cardiovasculares, Luciana Coppini aconselha: "Não coma alimentos gordurosos em grandes quantidades. Feijoada, fondue, calabreza, bacon e chocolates são deliciosos, mas devem ser consumidos moderadamente. Alimente-se várias vezes durante o dia, mas sem exageros. Não concentre as refeições no café, almoço e jantar".

Dar mais sabor e sofisticação às refeições de inverno também não é complicado. Sopas de legumes sem creme de leite, canjas feitas com frango sem pele, chás e leite quente podem ser preparados de modos criativos, transformando-se em verdadeiras iguarias da culinária.

Aos fãs do famoso fondue, é relevante informar que o quitute é rico em calorias e deve ser consumido, no máximo, uma vez por semana. "O ideal é que seja um sabor por vez, isto é, o de carne em uma semana, o de queijo na outra e assim por diante", ressalta Luciana.

E para aqueles que abandonam a atividade física sempre que esfria, ela adverte: "Além de ótimos à eliminação do excesso de calorias, os exercícios revigoram, contribuem ao alongamento e bem-star do corpo e dificultam o aparecimento daquelas dores musculares típicas do frio".

DICAS PARA O INVERNO

- Sopas: legumes batidos, ao invés de creme de leite; adicionar farelo de trigo, pois além de dar mais sabor, contribui à sensação de saciedade, regula a função intestinal e controla os níveis de colesterol
- Chocolate quente: utilize leite desnatado e achocolatado diet. O melhor é dar preferência aos chás
- Queijos: prefira os brancos e lights.
- Fondue: prepare com leite desnatado e queijos magros e substitua o pão por legumes
- Carnes de porco: substitua por carnes mais magras (peixes, frango sem pele) preparados na pressão ou grelhadas
- Frutas: morangos, tangerina, laranja e maracujá são típicos do inverno. Devem consumidos constantemente já que são boas fontes de vitamina C
- Chás: ótimas opções para esquentar o corpo, além de deliciosos e diversificados

Fonte: Editoria de Saúde

O PALADAR NÃO É TÃO UNIVERSAL QUANTO A FOME.
HÁ DISTINÇÕES, RESISTÊNCIAS,
PECULIARIDADES, IMPOSIÇÕES MISTERIOSAS PARA O ENTENDIMENTO.
CÂMARA CASCUDO, HISTORIADOR, FOLCLORISTA

CULTIVO DE HORTAS ESTIMULA
APRENDIZADO EM ESCOLAS

Os benefícios que o simples hábito de cultivar uma horta trazem para o aprendizado em uma escola do Entorno do Distrito Federal foram destacados no Encontro Nacional Educando com a Horta Escolar, realizado nos dias 16 e 17 de junho passado em Brasília, promovido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE/MEC). Foi constatada a mudança de postura do professor ao reconhecer a horta como espaço pedagógico útil para o aprendizado dos alunos.
- "O benefício que a horta traz reflete-se no aprendizado. Ficou mais fácil para o aluno aprender com esse novo formato de ensinar", constatou o professor Railson Ribeiro, da Escola Municipal Rural A Caminho da Luz, de Santo Antônio do Descoberto, cidade goiana. Segundo ele, os pais o procuram para relatar a mudança de hábito das crianças, que passaram a se alimentar com as hortaliças produzidas por eles mesmos.

Para a coordenadora educacional Teresa Cristina Em Bagé e a secretária municipal de educação e coordenadora do projeto Hortas, Olga Maria Simões, os pais apóiam a iniciativa. "Eles têm observado que as crianças estão mais engajadas, interessadas e  exigentes", afirmou.

Olga revela ainda que o cultivo de legumes e hortaliças nas 60 escolas da região ajudou a atenuar problemas de saúde como obesidade e  anemia. Com a mudança dos hábitos alimentares, eles estão mais saudáveis. Além disso, os pais vêm adotando a nova alimentação, influenciados pelos filhos.

O resgate do cultivo da terra, a reflexão sobre a importância do consumo de alimentos sem agrotóxicos e a interação entre professores, alunos, funcionários e comunidade foram considerados pontos positivos nesta experiência.

Este projeto Horta Escolar é resultado de acordo assinado em 2005 entre o FNDE e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). O projeto, segundo a FAO, baseia-se na constatação de que, no Brasil, fome, desnutrição, deficiências de micronutrientes e enfermidades resultam de alimentação inadequada e geram doenças como diabetes, hipertensão arterial e obesidade. Ao lado de males oriundos da subnutrição, agravam a situação da saúde pública do País.

Mais informações: http://www.educandocomahorta.org.br/

ALIMENTOS QUE AJUDAM NA DIGESTÃO

No inverno, é comum as pessoas fazerem refeições mais pesadas, que incluem massas, sopas e doces. Como resultado, temos os visíveis quilinhos a mais e indigestões, azias e mal-estar. A explicação é simples: como o processo digestivo faz o organismo gastar energia, comer pratos ricos em proteínas, carboidratos associados a gorduras e afins resulta em mais trabalho para nosso intestino.

Quanto mais difícil a digestão, maior o valor termogênico do alimento e maior o gasto calórico para processá-lo, acelerando o metabolismo naquele momento.

A boa notícia é que o consumo de alguns alimentos termogênicos estimula o funcionamento do intestino, acelerando este processo: “Eles aumentam o metabolismo e a temperatura interna corporal. Com isso, contribuem para queimar calorias e ajudam a emagrecer. Para terem efeito, devem ser introduzidos com regularidade no dia-a-dia”, esclarece Fernanda Giannecchini, nutricionista da Onodera. Os principais alimentos termogênicos são a pimenta caiena (aumenta a circulação, melhora a digestão e aumenta a temperatura do corpo), o gengibre (aumenta o metabolismo em 20%) e o chá verde (acelera o trânsito intestinal e aumenta o metabolismo).

Outros alimentos que auxiliam a digestão é o grupo das fibras, presentes em frutas, hortaliças, farelos integrais (milho e trigo), grãos, nozes, castanhas, amêndoas, amendoins, leguminosas (ervilha, feijão e lentilha) e arroz.

Na hora da sobremesa, é essencial trocar doces por frutas, que, além de mais saudáveis, não são calóricas. Abacaxi, mamão e maçã são boas dicas. “O abacaxi, por exemplo, apresenta a bromelina que é um excelente digestivo e antiinflamatório natural. Possui altas concentrações de vitaminas A, B e C e é ótima fonte de cálcio”, explica. Castanhas, sementes e grãos são também ótimos digestivos, quando ingeridos em pouca quantidade, e contribuem para manter o organismo saudável.

Por fim, é fundamental ingerir líquidos, água em especial. O chá verde, por sua parte, reduz a absorção de açúcar no sangue, inibindo a ação da amilase (enzima responsável pela digestão de carboidratos), acelerando o trânsito intestinal e a queima de gorduras.

Fica, portanto, o último conselho da nutricionista: “Alimentos termogênicos aceleram o metabolismo, mas comer frutas como o mamão ou tomar chás para ajudar na digestão ainda não tem eficácia comprovada em estudos”, alerta.

Fonte: Fernanda Giannecchini, nutricionista da Onodera

INFLUÊNCIA DA TV NA OBESIDADE

Estudo realizado pelo instituto americano Smell and Taste Treatment and Research Foundation, em Chicago (Estados Unidos), comprovou que as pessoas comem mais quando estão ‘ligadas’ na TV. Ainda mais, diante de programas de entretenimento.

De acordo com o doutor Alan Hirsch, que explorou o impacto do aroma, gosto e do comportamento de voluntários enquanto assistiam programas de TV e consumiam batatas fritas, foi registrado um aumento entre 42% e 44% a mais na ingestão do alimento em relação ao mesmo quadro diante de um aparelho de TV desligado.

De acordo com Flávio Guerra, médico endocrinologista do Hospital Santa Paula, de São Paulo, “Quando concentrada no programa que está sendo apresentado, a pessoa normalmente perde a consciência do volume ingerido, julgando que comeu pouco. É nesse ponto que ocorre a superalimentação (overfeeding) e o ganho de peso”.

Fora isso, uma vez entretida, a pessoa mal presta atenção no gosto ou no aroma do alimento. Como a pessoa reage ao programa, há toda uma alteração do seu ritmo respiratório, comprometendo a mastigação. É comum o telespectador engolir muito ar enquanto come olhando para a TV.

Já sabemos que o ideal, é fazer sempre as refeições em locais onde não há aparelhos de TV ligados. E agora mais do que nunca, conclui-se que para não engordar, a pessoa deve fazer suas refeições bem longe do aparelho de TV.

Fonte: Dr. Flávio Guerra, médico endocrinologista do Hospital Santa Paula (SP)

PISTACHE REDUZ RISCOS DE DOENÇAS CARDÍACAS

Um estudo da Estadual Penn University, dos Estados Unidos, afirma que comer um punhado de pistache por dia pode baixar a taxa de colesterol e suprir a necessidade de antioxidantes normalmente encontrada em frutas de cores vivas e verduras.

Comer entre 40 e
85 gramas de pistache por dia "diminuiu o risco de doenças cardiovasculares, por diminuir significativamente os níveis de colesterol (LDL), e reduziu significantemente as proporções de lipoproteínas", de acordo com a pesquisadora Sarah K. Gebauer, que apresentou o estudo no encontro Biologia Experimental, em Washington, realizado recentemente.

Os participantes do estudo passaram duas semanas se alimentando com a dieta Média Americana, que consiste de 35% de gorduras e 11% de gorduras saturadas. Em seguida, testaram três dietas diferentes durante quatro semanas, sempre com um intervalo de duas semanas entre elas.

As três dietas são variantes de um regime popular para a redução de colesterol: uma sem pistache, com direito a 25% de gordura e 8% de gorduras saturadas; a segunda com 42 gramas de pistache por dia, além de 30% de gorduras e 8% de gorduras saturadas; e por último,
85 gramas de pistache por dia, além de 34% de gorduras e 8% de gorduras saturadas.

Os exames de sangue verificaram então os níveis de colesterol no sangue de cada participante, após cada dieta. O resultado foi que quem comeu as
42 gramas de pistache reduziu o volume total de colesterol no sangue em 8,4%, e o chamado colesterol ruim (LDL), em 11,6%. Além disso, as lipoproteínas de densidade não-alta (Não-HDL), considerado um indicador confiável sobre os riscos de doenças cardiovasculares, caíram em 11,2%.

Os pesquisadores analisaram ainda os impactos das dietas sobre os níveis de LDL oxidizado e de antioxidantes no sangue.

- Ficamos satisfeitos em constatar uma diferença entre as duas doses de pistache sobre a lipoproteína, porque parece que são o pistache que está provocando os efeitos e que ele atua de forma dependente da dose -, disse Gebauer.

O pistache contém mais luteína (normalmente encontrada em verduras escuras), beta caroteno (formador da vitamina A) e gama tocoferol (a principal forma de vitamina E) do que outras nozes.

Fonte: BBC - de Londres

ESCLARECIMENTO SOBRE GORDURA TRANSATURADA

A trans é resultado de um processo químico de hidrogenação no qual se adiciona hidrogênio (em altas pressão e temperatura) à gordura poliinsaturada e esta, originalmente líquida assume estado sólido à temperatura ambiente.

Essa modificação dá consistência e aumenta o tempo de conservação dos alimentos. É uma verdadeira revolução na indústria alimentícia, que passou a usar e abusar da gordura trans em seus produtos, como por exemplo: salgadinhos, sorvetes e bolos.

Trata-se de um tipo específico de gordura formada por um processo de hidrogenação natural (ocorrido no rúmen de animais) ou industrial. Estão presentes em pequenas quantidades nos alimentos de origem animal, como as carnes e os leites e são encontradas em larga escala nos alimentos processados.

A gordura hidrogenada ou semi-hidrogenada está nos rótulos das margarinas, maioneses, molhos, chips, sorvetes, pães, biscoitos etc.

No entanto, a gordura transaturada é uma gordura ruim e "quanto menos ingerida, mais saudável a pessoa será".  

O QUE FAZER PARA RETIRAR
AS BACTÉRIAS DA COZINHA

Um verdadeiro criadouro de fungos e bactérias pode ter se instalado na cozinha de sua casa. Mantê-la completamente livre dos microrganismos é humanamente impossível – segundo estudiosos, nem mesmo a sala de cirurgia de um hospital confiável consegue ficar totalmente limpa.

Mas os riscos de contrair uma infecção por bactérias que causam doenças podem ser reduzidos em até 99% se algumas práticas cotidianas passarem a ser adotadas. As dicas são das pesquisadoras do Laboratório de Higiene de Alimentos do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (UnB) Yolanda Silva de Oliveira, Maria Cláudia da Silva e Adriana Pereira de Lima.

Para as especialistas, é importante as donas de casa perceberem que higiene de alimentos não se reduz apenas à limpeza, mas a todos os processos que evitam a contaminação da comida. “Isso inclui o momento da compra, o cuidado com os atos de congelamento e cozimento, e claro, a limpeza em si”, diz a professora Yolanda, que chefia o laboratório. As principais dicas foram reunidas nos tópicos abaixo:

COMO FAZER A LIMPEZA

Esqueça os panos de secar a pia. Aposente até o pano de prato. Esses tecidos apresentam condições ideais para as bactérias se proliferarem, principalmente quando ficam úmidos por muito tempo. As pesquisadoras da UnB sugerem em substituição a ele, o uso do rodo de pia, de toalhas de papel para secar as mãos durante o preparo de alimentos e do escorredor de pratos.

Outro material que deve ser abolido da cozinha é a madeira, que tem de ser substituída pelo plástico branco. Portanto, a velha colher de pau, a tábua de carne e até o rolo de macarrão precisam ser trocados.

- “A madeira acumula matéria orgânica e absorve umidade, o que é favorável para a multiplicação das bactérias. Além disso, não há como desinfetar objetos a base de madeira porque a umidade fica retida neles”, explica Adriana.

Na hora de lavar a louça, lembre-se que o detergente apenas desengordura o utensílio, mas não mata os germes. A morte dos microrganismos se dá com água recém fervida ou com o uso de cloro, encontrado nas águas sanitárias. Não se esqueça de olhar no rótulo do produto a quantidade recomendada para essa limpeza.

-“Em casa, esses cuidados são indicados apenas em situações especiais, como por exemplo com criança pequena, idoso ou doente”, defende. Ela também propõe que o ideal é lavar primeiro os copos, para que a gordura dos pratos e panelas não passe para eles pela esponja.

Outra providência necessária, procure, em média trocar a esponja depois de uma semana de uso.

PREPARO DOS ALIMENTOS

As mãos de quem prepara os alimentos devem estar sempre limpas. Para isso, além de lavá-las constantemente, evite usar a lixeira de pia. Fatalmente, você vai precisar abrir a tampa e contaminará as mãos ao encostar na sujeira. Pelo mesmo motivo, opte sempre pelos lixos de pedal na cozinha.

Evite também os ovos crus. Alguns deles apresentam na gema a bactéria Salmonella, que provoca infecção intestinal. Como não é possível saber qual possui esse microrganismo, não dá para se arriscar ao fazer maionese caseira ou ovo frito com gema mole. Para se prevenir, também esqueça aquele glacê preparado com a clara batida – existem casos de infecções provocadas por esses merengues em bolos de casamento e até de festa infantil.

Não use vinagre para desinfetar frutas e verduras, o produto não é recomendado para essa função. Nesse caso, a melhor opção é a água sanitária. Mas fique atento, existem vários tipos desse produto a venda no supermercado e nem todos podem ser usados em alimentos. É preciso ler o rótulo antes para saber qual é o indicado. Além disso, siga à risca as instruções sobre a quantidade de água a ser aplicada, ou sua família pode correr o risco de sofrer uma intoxicação.

Outra dica importante é não servir carnes mal-passadas. Elas podem conter bactérias. No caso da carne de frango, ficar atento, pois eles só ficam prontos quando começam a soltar do osso.

Em geral, o ideal é comer o alimento preparado na hora. Mas, caso a sua família não almoce reunida, evite deixar a comida por muito tempo em cima do fogão. “Se a refeição ficar muito tempo à temperatura ambiente, pode haver a multiplicação de bactérias que estragam o alimento ou causam uma infecção gastrointestinal.”, ensina Maria Claudia.

Por esse mesmo motivo, não se deve comer o alimento frio ou morno. Por exemplo, o arroz retirado da geladeira deve ser completamente aquecido, praticamente até ferver.

COMO GUARDAR NA GELADEIRA

Ela diz que quando a comida fica morna, é preciso reaquecer ou então guardar em potes plásticos na geladeira. Não é preciso esperar a comida esfriar para guardar na geladeira. “Isso era feito antigamente porque as geladeiras não davam conta de refrigerar o pote quente. Hoje, não é mais necessário e ainda é mais recomendado guardar a comida ainda quente, que não dá tempo para as bactérias ficarem na temperatura ambiente”.

Na geladeira, os alimentos devem ser guardados na posição correta. Produtos prontos para ser consumidos devem ficar nas prateleiras de cima; os quase prontos, ou seja, aqueles que vão precisar ser cozidos antes do consumo ficam no meio; e os alimentos crus (carnes ,frango) que serão descongelados devem ser colocados na prateleira de baixo. “Isso serve para que um alimento que esteja descongelando não possa contaminar aquele pronto para consumo”, esclarece Yolanda.

Ela também explica que as vasilhas de comida que vão à geladeira não podem estar muito cheias, nem completamente cobertas por um pote colocado sobre elas. Caso os potes tenham o mesmo tamanho, o ideal em vez de empilhados é que eles sejam colocados em formato de cruz. Isso evita que o alimento demore a esfriar e que as bactérias cresçam. E, deixe a preguiça de lado: não guarde a panela de comida na geladeira porque ela não veda direito e é difícil refrigerar. Também não demore para guardar os produtos perecíveis após chegar do supermercado.

DESCONGELAMENTO

O descongelamento da comida (frango, carne etc.) deve ser feito dentro da geladeira. Evite deixar à temperatura ambiente durante toda a noite ou então descongelar na água. Em situações de emergência, é preferível preparar o alimento congelado, tomando cuidado para que ele seja totalmente aquecido, até mesmo o centro, que costuma demorar mais.

COMPRA

Na hora das compras, outras dicas são importantes. Ao adquirir um produto, é indispensável prestar atenção na sua procedência. Leia sempre os rótulos, verifique nas embalagens a data de validade e confira os carimbos de aprovação dados pela Vigilância Sanitária ou outro orgão fiscalizador como Departamento de Defesa Agropecuária e Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova), Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) ou Serviço de Inspeção Federal (SIF) . Exemplo: nas carnes, o carimbo é roxo.

Evite as latas que estejam amassadas, estufadas ou enferrujadas. Já as comidas refrigeradas no supermercado devem ficar numa temperatura abaixo de 5ºC. Quanto aos congelados, o ideal é que eles estejam completamente duros e as caixas não podem estar molhadas ou deformadas.

“Quando você encostar no produto, não pode sentir nada mole e também não pode ter sangue envolta das carnes, pois significa que em algum momento ela foi descongelada e isso cria condições de temperatura para as bactérias se multiplicarem”, afirma Adriana.

Alimentos perecíveis devem ser os últimos a entrar no carrinho. Isso vale para frangos, queijos, congelados e refrigerados em geral. Aquelas que costumam passar no supermercado antes de buscar os filhos na escola ou praticar alguma outra atividade, devem ter sempre no carro um isopor com gelo ou uma bolsa térmica para conservar a temperatura dos alimentos. Essa é a maneira de evitar que os microrganismos se desenvolvam à temperatura ambiente.

Fonte: Editoria de Saúde

RECEITAS TÍPICAS DE INVERNO

Bolo de Espinafre e Ricota

INGREDIENTES:
- 500 g de ricota
- 01 cebola (média) picadinha
- Meia colher (chá) de pimenta-do-reino
- Meia colher (chá) de noz moscada
- Sal, a gosto
- 04 ovos, batidos com o garfo
- Meia xícara (chá) de leite
- meia xícara (chá) rasa de farinho de trigo
- 01 maço de espinafre, cozido e escorrido
- 02 colheres (sopa) de maionese
- 01 colher (sopa) de margarina
- Páprica picante, para polvilhar (opcional)

MODO DE FAZER:

Amasse a ricota com um garfo, misture a cebola, a pimenta, a noz-moscada e o sal. Reserve.

Acrescente os ovos, o leite, a farinha, o espinafre, a maionese e misture muito bem.  Coloque numa forma refratária retangular (média) untada com a margarina e polvilhada com a páprica e leve ao forno médio por 20 minutos.

Rendimento:  6 porções.Pode ser assado no forno de microondas, em potência alta, de 13 a 15 minutos. Com frango assado, fica ótimo!

Receita de Ana Teresa Dias Meyer

Fondue Brasileiro

INGREDIENTES
- 1K de camarão limpo
- 1K de aipim macio cozido
- 2 molhos de cheiro verde
- 2 cebola médias picadas
- Azeite e Sal
- Acompanhe com um bom vinho branco

MODO DE FAZER

Tempere os camarões com sal a gosto

Leve a mesa um rechaud, com panela apropriada e água (volume de água depende do tamanho da panela).

Cozinhe os camarões na hora, usando um steamer na panela - o camarão será cozido somente no bafo (em banho maria).

Sirva com o aipim cozido em quente.

Prepare o molho picando o cheiro verde e a cebola, acrescente sal e azeite

Sirva os camarões com o aipim e cubra com o  molho verde.

Observações: é um prato simples e com uma forte presença na mesa, é um Fondue abrasileirado e MAGNÍFICO.

Receita de Sandra Lucia da Rocha Leal

Omelete (no microondas)

INGREDIENTES
- 1 colher de chá de margarina
- 4 ovos
- 2 colheres de sopa de leite
- Sal
- Pimenta do Reino

MODO DE FAZER

Unte uma forma para microondas com a margarina

Bata os ovos com o leite, o sal e a pimenta. Despeje suavemente na fôrma, tampe e cozinhe por 2 a 3 min com 80% de potência, até as laterais ficarem firmes.

Dobre a omelete, tampe e cozinhe por 1 a 2 min com 100% de potência

Aguarde o tempo de espera de 5 min. e sirva em seguida

Observações: Pode rechear com o ingrediente do seu agrado; queijo, presunto, salsicha etc. é só acrescentar assim que for dobrar a omelete. (2 porções). É muito bom com uma salada ou grelhado.

Receita de Cristina Veloso

Pizza de Batata em Panela

INGREDIENTES

- 1 e meia colher (sopa) de manteiga
- 2 xíc de presunto cortado em tiras
- meia xíc de queijo tipo prato ralado
- meia xíc de pimentão verde picado
- meia xíc de cebola picada
- 3 batatas médias descascadas e cortadas em fatias finas
- sal e pimenta-do-reino a gosto
- 3 ovos

MODO DE FAZER:
Derreter a manteiga numa panela. Espalhar a metade das batatas no fundo; temperar com sal e pimenta-do-reino. Cobrir em camadas a metade das cebolas e a metade dos pimentões. Arrumar metade do presunto por cima. Repetir as camadas dos vegetais e reservar o presunto à parte. Tampar a panela e cozinhar em fogo fraco por 20 minutos ou até as batatas ficarem tenras. Colocar os ovos numa tigela e bater ligeiramente, acrescentar as batatas e espalhar bem. Juntar o presunto. Tampar a panela até os ovos ficarem cozidos. Salpicar com queijo e deixar no fogo, com a panela tampada, até o queijo derreter. Retirar do fogo, cortar em fatias e servir.

Observações: Tempo de preparo: 35 minutos -Receita para 6 pessoas

Receita de Michelle Russo Silva

Frango com Polenghinho e Requeijão

INGREDIENTES:
- 2 peitos de frango sem a pele
- 1 caixa com 4 polenguinhos
- 1 copo de requeijão
- 2 tabletes de caldo de galinha
- 1 envelope de tempero  “meu segredo”
- 1 copo de leite
- 1 colher de sopa de maisena
- 2 colheres de queijo tipo parmezon  ralado
- Cebola e alho a gosto
- Azeite Extra Virgem

MODO DE FAZER:

- Lave bem os peitos de frango e divida-os de maneira que cada um vire 4 pedaços. (Corte no meio e na espessura)

-Tempere com a cebola (ralada ou em rodelas) e alho caso queira

Não temperar com sal pois o caldo de carne o substituirá.

- Divida cada polenguinho  em duas tiras.

- Enrole cada pedaço de frango com um pedaço de polenguinho.(prenda com palito)

- Frite os enroladinhos de frango no azeite extra virgem,  bem quente. (é só para dourar. Não precisa ficar muito tostado). Reserve-os

- Desmanche os dois tabletes de caldo de galinha em 1 litro d’ água - acrescente o tempero “meu segredo”

- Coloque os peitos de frango já dourados e deixe cozinhar até ficarem macios.(use o fogo baixo).

- Retire um pouco do caldo. Desmanche as duas colheres de maisena, junte ao molho que cozinhou o frango, deixe engrossar

-Coloque o copo de requeijão.

Rendimento: 4 pessoas. Retire os palitos antes de servir

Combina com arroz branco, batata palha, uma salada

Receita de Raquel Castro

Brigadeirão (Pudim de Brigadeiro)
INGREDIENTES
-
2 latas de leite condensado
- 1 lata de leite de vaca
- 1 lata de nescau
- 3 ovos
MODO DE FAZER
Bata tudo no liquidificador e coloque em uma forma bem untada com manteiga e açúcar. Coloque no forno (em banho maria com água fervendo) durante 1 hora.

OBS: O forno deve estar pré-aquecido à temperatura de 250 graus.

Receita de Renata Penna

_____________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br" .

(voltar ao topo)