corpo-mente
 


PROPAGANDA DE REMÉDIO PODE SER CRIME

CID CARVALHAES

 

 

medicamentosEntre as várias doenças nacionais existe uma que não se cura com tratamentos, mas com uma boa dose de vergonha na cara. É a velha doença do jeitinho brasileiro.

 

O polêmico caso da propaganda de remédios é um exemplo de como o famoso jeitinho nos prejudica, principalmente os mais carentes que não têm acesso aos sistemas de saúde. Remédio não é produto de consumo.

 

O estímulo provocado pelas propagandas é a automedicação, que cada vez mais é responsável pelo aumento das doenças e internações. Quem receita é o médico, não a televisão ou o rádio. Por isso defendemos a proibição desse tipo de propaganda nos veículos de comunicação e, também, nas farmácias e drogarias. 

 

A repetida frase veiculada no final de cada anúncio que diz  “ao persistirem os sintomas o médico deve ser consultado”, é um absurdo. Admite que o medicamento é inócuo. Seu uso pode mascarar o efeito da doença. A frase pode ser considerada como uma propaganda da doença ou a própria doença. 

 

Nossa proposta é de veiculação de uma  publicidade institucional nos seguintes moldes:  antes de utilizar qualquer medicamento consulte um médico. Dessa forma, sua saúde agradece.

 

A televisão e o rádio são campeões em número de anúncios de vitaminas, estimuladores de apetite e demais medicamentos apresentados como uma panacéia.

 

As propagandas enaltecem os benefícios, exageram as qualidades, às vezes duvidosas dos remédios. A ausência das contra-indicações só piora este quadro.

 

O pesquisador Álvaro Nascimento, do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, que também é jornalista e tecnologista da Fiocruz, admite que a forma e o conteúdo dos anúncios de medicamentos, além de prometerem resultados impossíveis, acabam estimulando o uso irracional de produtos, na maioria das vezes caros e perigosos para a saúde.

 

O problema é ainda mais grave quando consideramos o fato dos medicamentos terem sido o principal agente de intoxicação humana no Brasil,  segundo dados fornecidos pelo Sistema Nacional de Informações Toxicológicas da Fiocruz. 

 

A propaganda abusiva não é a única responsável pelas intoxicações por medicamentos, mas sem dúvida ela é parte importante do problema. O problema é grave e pode ser constatado nos balcões das farmácias. Os medicamentos que devem ter o receituário retido são comercializados sem problemas. Os pontos de venda constituem um estímulo à automedicação. Não podemos esquecer que se trata de droga e causa dependência. Mesmo a receita sendo retida, a fiscalização deve ser muito rigorosa, mas não é o que acontece.

 

Para tentar diminuir a automedicação, a Anvisa, proibiu a divulgação no interior das farmácias e drogarias de qualquer conteúdo que caracterize propaganda comercial de medicamentos, exceto medicamentos genéricos, através de uma resolução. A proibição incluía designações, símbolos, figuras, desenhos, logomarcas, slogans, nomes dos fabricantes e outros argumentos de cunho publicitário de produtos farmacêuticos. É permitida somente a afixação dos preços de medicamentos nesses estabelecimentos comerciais.

 

Mas, a automedicação continua sendo praticada, estimulada pela empurroterapia por parte de balconistas, uma vez que nem todos os estabelecimentos mantêm farmacêuticos de plantão. Os abusos continuam e não há uma fiscalização efetiva. Além disso, as multas, quando ocorrem, são irrisórias e não coíbem os abusos.

 

A Constituição Brasileira, diz que "compete à Lei Federal estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão (...) bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente".

 

Essa é uma das formas de evitar que o jeitinho brasileiro de tapar o sol com a peneira, continue causando vítimas e prejuízos de toda ordem.

 

Dr. Cid Carvalhaes, médico e advogado, é Presidente do Sindicato dos Médicos do Estado de São Paulo e secretário de imprensa e divulgação da Federação Nacional dos Médicos- Fenam

 

 

DEFINIDAS NOVAS REGRAS PARA

PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS

 

pilulas1O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, e o diretor presidente da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Dirceu Raposo, anunciaram agora em dezembro, as novas regras para propagandas de medicamentos. A resolução que aperfeiçoa as exigências para o setor entrará em vigor em seis meses. O objetivo é evitar que a escolha de médicos e pacientes seja influenciada por informações inadequadas, incompletas ou descontextualizadas.

 

“As estatísticas mostram que a cada 42 minutos há uma pessoa intoxicada pelo consumo de medicamento no Brasil. O estímulo ao consumo e a falta de informação adequada colocam em risco a saúde da população”, afirmou o ministro. Segundo ele, a nova resolução introduz uma série de controles e passa a abranger áreas que não estavam regulamentadas. 

 

A resolução amplia a abrangência das regras sobre propagandas para medicamentos manipulados, amostras grátis, campanhas sociais e eventos científicos. O último texto regulava apenas os requisitos gerais da propaganda, os medicamentos isentos de prescrição, os medicamentos sob prescrição média e a visita de propagandistas.

 

NOVAS REGRAS

As propagandas de medicamentos isentos de prescrição não poderão mais exibir a imagem ou voz de “celebridades” recomendando o medicamento ou sugerindo que fazem uso dele. Elas poderão aparecer em propagandas e publicidades, mas sem fazer esse tipo de orientação.

 

As propagandas e publicidades vão trazer os termos técnicos escritos de forma a facilitar a compreensão do público. As referências bibliográficas citadas deverão estar disponíveis no Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). A resolução também proíbe usar de forma indireta (não declaradamente publicitária) espaços em filmes, espetáculos teatrais e novelas e lançar mão de imperativos como “tome”, “use”, “experimente”.

 

Além das informações tradicionais já exigidas pela RDC 102/00 (nome comercial, número de registro e a advertência “Ao persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado”), as propagandas de medicamentos isentos de prescrição deverão trazer advertências relativas aos princípios ativos. Um exemplo é a dipirona sódica, cuja proposta de advertência é “Não use este medicamento durante a gravidez e em crianças menores de três meses de idade”.

 

Nas propagandas veiculadas pela televisão, o próprio ator que protagonizar o comercial terá que verbalizar estas advertências. No rádio, a tarefa caberá ao locutor que ler a mensagem. Para o caso de propaganda impressa, a frase de advertência não poderá ter tamanho inferior a 20% do maior corpo de letra utilizado no anúncio.

 

AMOSTRAS GRÁTIS

As amostras grátis de anticoncepcionais passam a conter, obrigatoriamente, 100% do conteúdo da apresentação original registrada e comercializada. Já no caso dos antibióticos, a quantidade mínima deverá ser suficiente para o tratamento de um paciente. Para os demais medicamentos sob prescrição, continua a valer o mínimo de 50% do conteúdo original. Para cumprir as exigências relativas às amostras grátis as empresas terão um prazo maior: 360 dias.

 

Para os eventos científicos e campanhas, a resolução reforça, expressamente, que o apoio ou patrocínio a profissionais de saúde não pode estar condicionado à prescrição ou dispensação de qualquer tipo de medicamento. Já no tocante à responsabilidade social das empresas, proíbe a publicidade e a menção a nomes de medicamentos durante as campanhas sociais e vice-versa. 

 

OUTRAS MUDANÇAS:

 

·  Propagandas de medicamentos que interferem na plena atividade sensorial e motora deverão trazer advertência que alerte para os perigos de se dirigir e operar máquinas.

 

·  Fica proibida a veiculação de propagandas indiretas (que sem citar o nome do produto, se utilizem de símbolos ou designações).

 

·  Fica vedado relacionar o uso do medicamento a excessos etílicos ou gastronômicos.

·  Comparações de preço, dirigidas aos consumidores, só poderão ser feitas entre medicamentos intercambiáveis (medicamento de referência e genérico).

 

·  Fica vedada a distribuição de brindes a prescritores (médicos),  dispensadores (farmacêuticos) de medicamentos e ao público em geral.

 

 

ANTIBIÓTICOS: ENTRE O BEM E O MAL

 

Substâncias que destroem ou inibem o metabolismo de microorganismos, os antibióticos representam uma importante força no combate a infecções, sendo receitados por cirurgiões-dentistas em diversos casos. Mas seu uso indiscriminado pode dar origem a bactérias resistentes ao fármaco, e tanto o paciente quanto o profissional de saúde precisam estar atentos aos riscos que o abuso da substância acarreta.

 

Doenças causadas por vírus, como gripes e resfriados, não podem ser tratadas com antibiótico, já que o fármaco atua em nível celular e os vírus não possuem células. A antibioticoterapia só é indicada em casos de complicações bacterianas dessas doenças, como pneumonias, sinusites, otites, meningites, amidalites ou faringites bacterianas, além de outras doenças não relacionadas ao sistema respiratório.

 

A automedicação não costuma considerar essa indicação, e a cada dia bactérias adquirem mais resistência a antibióticos, dificultando tratamentos e agravando quadros de infecção. Muitas vezes, antibióticos são receitados com mais freqüência do que o necessário, o que também colabora com o surgimento de bactérias resistentes ao medicamento.

 

A resistência a antibióticos já foi considerada um dos principais problemas da saúde em termos mundiais. Durante a última década, quase todos os tipos de bactérias têm ficado mais resistentes ao tratamento com antibióticos quando ele é necessário. Essas bactérias resistentes aos antibióticos podem se espalhar rapidamente. Um micróbio resistente a muitos remédios pode tornar o tratamento da infecção impossível.

 

- “A terapêutica antibiótica deve ser coadjuvante no tratamento das infecções odontogênicas, periodontal e endodôntica, não devendo ser utilizada como única forma de tratamento”, orienta Eduardo Muniz B. Tinoco, PhD em Periodontia pela Universidade de Oslo (EUA) e especialista em Periodontia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

 

 

NÃO À AUTOMEDICAÇÃO:

NÃO É UMA MISSÃO FÁCIL

DRA. MARIA BEATRIZ GUERIOS

 

pilulas3Mesmo sabendo que é perigoso comprar remédios com base na indicação de amigos, vizinhos, muitas pessoas ainda recorrem à automedicação regularmente. O perigo desta prática é grande. Muitas vezes, estes remédios não prescritos pelo oftalmologista, por exemplo, causam novas doenças, mascaram os sintomas da real moléstia ou, ainda, não produzem efeito algum, fazendo com que o incômodo do paciente persista.

 

Sem a devida indicação médica, não é recomendável fazer uso de colírios. Estes medicamentos têm princípios ativos variados, como corticóides e antibióticos, que podem mascarar ou agravar algumas doenças oculares.

 

O aspecto inofensivo dos colírios e a facilidade de administração deste produto, somados ao fácil acesso às drogas oftalmológicas nas farmácias, são fatores de risco para a população. Precisamos combater a automedicação por meio de campanhas que destaquem os perigos para a visão do uso indiscriminado destas substâncias.

 

O uso de colírios com antibióticos de forma crônica e irregular pode facilitar o aparecimento de mutações de bactérias que se formam resistentes ao medicamento. O hábito de utilizar colírio ‘comum’ que deixa ‘olho branquinho’ pode significar o uso de uma droga vaso constritora que pode ter efeito colateral para a pressão ocular, além de tornar o paciente dependente do colírio.

 

Cremes e pomadas também devem ser prescritos pelo oftalmologista. Muitas pessoas, no afã de aliviar uma coceira ou um ardor aplicam nos olhos pomadas antialérgicas destinadas à pele, atitude equivocada e perigosa, que pode mascarar doenças e provocar uma alergia ocular.

 

CONJUNTIVITE DEVE TER ACOMPANHAMENTO OFTALMOLÓGICO

Aparentemente uma doença comum e de fácil tratamento, prevalente no verão, a conjuntivite deve ser tratada de maneira individualizada. O remédio que a sua tia usou para tratar a conjuntivite dela certamente não servirá para toda a família.

 

Nos casos de conjuntivite causada por agentes patógenos de alta-virulência, se a infecção não for tratada com o antibiótico correto, ela pode se transformar numa úlcera de córnea ou até mesmo numa perfuração do globo ocular com cegueira irreversível.

 

Patologias da córnea como ceratites, corpos estranhos e úlceras também são causas freqüentes de olhos vermelhos que podem levar a lesões graves se não forem tratadas adequadamente. Portanto, não adianta adiar a consulta ao oftalmologista.

 

Para ter certeza sobre o medicamento a ser utilizado, é preciso conhecer primeiro a causa da doença. O glaucoma agudo, por exemplo, requer tratamento de emergência para que danos permanentes ao nervo óptico sejam evitados. A automedicação, neste caso, é muito perigosa.

 

Não devemos  fazer concessões nem aos remédios naturais e às receitas caseiras. Todos os medicamentos, sem exceção, têm efeitos colaterais e podem provocar riscos à saúde. O mais seguro é procurar o oftalmologista para tratar do seu problema ocular. Os amigos e os vizinhos devem ser consultados sobre outras questões.

 

Texto da Dra. Maria Beatriz Guerios, oftalmologista do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

 

 


_________________________


Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de
www.idademaior.com.br"