corpo-mente
 


ASPIRINA PARECE CONTRIBUIR PARA EVITAR O APARECIMENTO DE DIABETES TIPO 2

 

 

 

aspirinaPesquisadores do Japão e dos Estados Unidos acreditam que, entre os benefícios da aspirina, possa ser acrescentada uma contribuição para a diminuição de a pessoa vir a ter diabetes tipo 2 (adquirida).

 

Hayashino, Hennekens e Kurth, de universidades da Flórida e Boston (EUA) e de Kyoto (Japão), usaram dados do Physician's Health Study, com 22 anos de acompanhamento, e mais 5 anos de estudo com uso aleatório de aspirina, de  22.071  homens aparentemente saudáveis.

 

De acordo com artigo que aguarda para ser publicado no American Journal of Medicine, os participantes responderam, no inicio e a cada ano do estudo, questionários sobre uso de aspirina, aparecimento de diabetes e estilo de vida. 

 

“Durante os 22 anos do acompanhamento houve 1719 casos de diabetes relatados pelos participantes”, escrevem os autores. De acordo com os dados, então, a taxa ajustada de risco para aqueles que utilizaram por conta própria a aspirina foi de 0,86%. Já ao longo dos 5 anos do estudo aleatório, em que os participantes receberam aspirina ou não, foram observados 318 casos de diabetes e a taxa de risco de desenvolver a doença para aqueles que usaram a aspirina foi de 0,91%.

 

Os pesquisadores concluem, no texto, que ao longo de cinco anos, a diminuição do risco de diabetes, para quem tomou aspirina, existiu, mas não foi significativa. Entretanto, “esta tendência continuou ao longo de 22 anos de acompanhamento, o que indica que qualquer uso voluntário de aspirina está associado com uma diminuição significante de aproximadamente 14% no risco de diabetes”, argumentam assinalando que “ a diminuição do risco do diabetes do tipo 2 pode ser adicionada à lista de benefícios clínicos da aspirina”.

 

Fonte: Agência Notisa (science journalism – jornalismo científico)

 

 

  

58% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

NÃO USAM ESCOVAS DE DENTES

 

Pesquisa do Ministério da Saúde revelou que mais da metade da população não usa escova de dentes seja por má distribuição de renda ou  falta de instrução para uso rotineiro.

 

Fora isso, profissionais da Sorridents Clínicas Odontológicas mostraram que muitos não sabem escolher a escova de dentes mais adequada para a sua higienização bucal.

 

Para que você possa exibir um sorriso saudável e ocorrência menor - senão inexistente - de problemas bucais, basta seguir as dicas para escolha da escova de dentes associada às técnicas para boa escovação. Elas foram oferecidas pelo Dr.Gustavo Volpi, clínico geral e franqueado da unidade Santa Cruz da Sorridents Clínicas Odontológicas:

 

- Use preferencialmente as escovas macias, mais eficientes para remover a placa bacteriana e os resíduos de alimentos;

 

- É interessante que a escova tenha cabeça pequena para alcançar todas as áreas da boca com facilidade, como, por exemplo, os dentes posteriores;

 

- Com relação ao tipo de cabo (por exemplo, flexível ou não), formato da cabeça da escova (retangular, cônica, etc.) e estilo de cerdas (com pontas planas, arredondadas, em diferentes níveis, etc.), escolha o que for mais confortável para você. O importante é usar uma escova que se ajuste bem à sua boca e alcance todos os dentes;

 

- Para muitas pessoas, especialmente aquelas que têm dificuldades para escovar ou destreza manual limitada, a escova elétrica pode ser uma boa alternativa.

 

- Troque sua escova de dentes a cada três meses ou quando perceber que ela começa a ficar desgastada. Estudos mostram que após três meses de uso normal, as escovas são muito menos eficientes na remoção da placa dos dentes e gengivas em comparação com escovas novas. As cerdas se deformam e perdem a eficiência para limpar os cantinhos ao redor dos dentes;

 

- Para preservar a sua escova e sua saúde, certifique-se de deixá-la secar completamente entre um uso e outro, pois elas podem ser meios de cultura para germes, fungos e bactérias, que depois de um tempo podem se multiplicar de maneira significante;

 

- A escovação adequada deve durar, no mínimo, dois minutos e acontecer em movimentos suaves e curtos, com especial atenção para a margem gengival, dentes posteriores e áreas situadas ao redor de restaurações e coroas. Segure a escova em um ângulo de 45 graus e escove com movimentos que vão da gengiva à ponta dos dentes. Com suaves movimentos circulares, escove a face voltada para a bochecha, a face interna dos dentes e a superfície usada para mastigar. Escove também a língua para remover bactérias e purificar o hálito.

 

"Se todas as dicas forem adotadas como hábitos, a ida ao dentista passa a ser muito mais agradável e poderá acontecer a cada seis meses", explica Volpi.

 

 

ÓCULOS DE FARMÁCIA OU CAMELÔ PREJUDICAM VISÃO

 

Óculos prontos para usar, encontrados em farmácias, supermercados e até em lojas de conveniência. podem agravar a presbiopia e causar astigmatismo.

 

De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a presbiopia, dificuldade para enxergar de perto, é inevitável. Surge por volta dos 40 anos em decorrência do envelhecimento que enrijece a musculatura ocular e o cristalino, diminuindo a capacidade de acomodação, ou foco.

 

Ele diz que 6 em cada 10 clientes chegam ao consultório usando os populares óculos de camelô para corrigir o problema.  São atraídos pelo baixo preço e por acreditarem que a doença é um mal menor.  Resultado – Colocam a saúde dos olhos em risco. Isso porque, explica, é a partir desta idade que geralmente surgem o glaucoma e alterações na retina. Para preservar a visão o recomendável é fazer um check-up ocular completo a cada dois anos nesta faixa etária.

 

Além disso, comenta, a única forma segura de garantir correção visual adequada é através da prescrição médica.  Os óculos de farmácia podem até melhorar a visão de perto, ressalta, mas por terem grau aproximado, exigem maior esforço visual. Por isso, explica, podem agravar a presbiopia e provocar dor de cabeça no final do dia.

 

O médico afirma que as principais diferenças entre óculos prontos e

prescritos são:

  

  

 

ÓCULOS DE FARMÁCIA                                                        ÓCULOS PRESCRITOS

Disância pupilar padrão

Distância pupilar personalizada

 Memo grau nas duas lentes

Gaus diferentes para cada olho presente na maioria das pessoas

Avaliação da leitura feita a Dferentes distâncias

Avaliação feita sempre na mesma distância

Frequentes irregularidades na superfície das lentes que podem causar astigmatismo

 Lentes com superfície regular

Grau aproximado que pode agravar a presbiopia

 São prescritos com grau correto

 

CORREÇÂO DE VÍCIOS DE REFRAÇÃO E PRESBIOPIA

Os problemas não param por aí. Queiroz Neto afirma que um levantamento do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) demonstra que 30% da população adulta têm hipermetropia, dificuldade de enxergar de perto que predispõe à presbiopia precoce.

 

Outros 10% a 20% têm miopia pura ou associada ao astigmatismo que mascara a presbiopia e até permite a leitura sem óculos o que não é recomendado por forçar a visão.  Significa que os óculos de farmácia não corrigem a visão de até 2 em cada 10 présbitas por serem monofocais.

As opções em óculos para correção simultânea da presbiopia associada à miopia, hipermetropia ou astigmatismo são:

 

 

Monofocais

 

Para quem nunca usou óculos e hipermétropes

Bifocais

Miopia e astigmatismo

Multifocais

Miopia e astigmatismo

 

 

USO INCORRETO DE DESCONGESTIONANTES NASAIS

AGRAVA SINTOMAS DA RINITE ALÉRGICA


Adotados por considerável parte da população como itens de cabeceira, os descongestionantes nasais tópicos, aqueles em gotinhas, escondem um verdadeiro risco quando usados sem acompanhamento médico. Seu uso continuado por mais de uma semana pode gerar dependência química, a ponto de o indivíduo fazer uso do medicamento mesmo sem estar com a narina congestionada.

 

"Eu faço uso de descongestionante várias vezes ao dia há dois anos. Não consigo mais viver sem ele", diz Daniela Gonçalves, 19 anos, estudante de jornalismo.

O perigo da má administração do remédio, além do vício, são os males ao próprio sistema respiratório, como o efeito rebote. "Se a pessoa tem rinite alérgica, por exemplo, e usa descongestionante em gotas para aliviar a obstrução do nariz, o resultado é que com o uso continuado, mesmo que por poucos dias, surge o efeito rebote e a dependência química se instala. A partir daí existem agora dois problemas: a mesma rinite alérgica e o que se chama de rinite medicamentosa, provocada pela gotinha. Já os sprays nasais antiinflamatórios da rinite alérgica, que devem ser utilizados de forma continuada, são seguros e não geram dependência", explica o Dr. Renato Roithmann, diretor da Academia Brasileira de Rinologia (ABR).

Longe de serem saudáveis, estão também os descongestionantes de uso oral, em comprimidos. São um pouco menos prejudiciais que os de uso tópico, pois, não causam dependência química, porém podem acarretar alguns sintomas como ansiedade, insônia, aumento da frequência cardíaca , aumento da pressão arterial e retenção urinária."O importante é lembrar que seja qual for a procedência do medicamento, mesmo que aparentemente simples gotinhas, consulte um médico antes de fazer uso", conclui Roithmann.

 

 

ESPONJAS MARINHAS PODEM SER SUPER-ANTIBIÓTICO

 

Cientistas israelenses identificaram uma esponja marinha que pode vir a ser um potente antibiótico par combater infecções com origem em fungos.

 

Liderados pelo professor Micha Ilan, os cientistas do Departamento de Zoologia da Universidade de Tel Aviv identificaram e isolaram milhares de microorganismos, entre eles um conhecido como actinobactéria, que vive em simbiose com as esponjas marinhas. “A resistência aos antibióticos se transformou num grande desafio para os médicos”, diz Ilan. “As esponjas marinhas são conhecias por hospedar um arsenal de compostos que podem combater as infecções”, conclui.

 

Essas infecções representam um sério problema para bebês prematuros, pacientes com Aids, câncer, transplantados e pessoas com o sistema imunológico comprometido. Uma dessas infecções, o Cryptococcus neoformans, é responsável por cerca de um milhão de mortes em todo o mundo, incluindo 600 mil na África Sub-Sahariana.

 

 


                         AVC É UMA DAS MAIORES CAUSAS

                        DE INTERNAÇÃO E MORTE NO BRASIL

 

Clodovil

 

O AVC (Acidente Vascular Cerebral), popularmente conhecido como derrame cerebral, como o que vitimou o estilista e deputado paulista Clodovil Hernandes (PR), é uma das maiores causas de internação e morte no Brasil: 151.200 pessoas foram internadas no ano passado para tratar da doença, de acordo com o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

De acordo com a Academia Brasileira de Neurologia, o Acidente Vascular Cerebral decorre da alteração do fluxo de sangue no cérebro. O AVC causa a morte de células nervosas do cérebro e pode se originar de obstrução dos vasos sanguíneos ou da ruptura de um vaso, que é o Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico sofrido por Clodovil. É o mais grave e tem altos índices de mortalidade.

 

O Acidente Vascular Isquêmico, ou infarto cerebral, responsável por 80% dos casos de AVC, é um entupimento dos vasos cerebrais, que pode ocorrer devido a uma trombose (formação de placas numa artéria principal do cérebro) ou embolia ( trombo ou placa de gordura originária de outra parte do corpo se solta e chega aos vasos cerebrais pela rede sanguínea).

 

Muitos sintomas são comuns aos dois tipos de AVC: dor de cabeça muito forte, de instalação súbita, sobretudo se acompanhada por vômitos; fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, geralmente afetando um dos lados do corpo; paralisia (dificuldade ou incapacidade de movimentação); perda súbita da fala ou dificuldade para se comunicar e compreender o que se diz; perda da visão ou dificuldade para enxergar com um ou ambos os olhos.

 

O AVC isquêmico pode ser acompanhado ainda de tontura e perda de equilíbrio ou coordenação. Ao AVC hemorrágico podem também se associar náuseas, vômitos, convulsões, confusão mental e perda de consciência. Entre os fatores de risco do AVC, que podem ser tratados e modificados, segundo a Associação Brasileira de Neurologia, estão: hipertensão; diabetes; tabagismo; alcoolismo; consumo de drogas ilícitas; colesterol elevado; doenças cardiovasculares cardíacas, sobretudo as que produzem arritmias; sedentarismo e doenças hematológicas.

 

O envelhecimento também é um fator de risco do AVC e pessoas com mais de 55 anos têm maior propensão a desenvolvê-lo. A Associação Brasileira de Neurologia informa ainda que características genéticas, como pessoas de raça negra e história familiar de doenças cardiovasculares, também aumentam a chance de Acidente Vascular Cerebral.

 

Fonte: Agência Brasil

 

 

CASOS DE DENGUE AUMENTAM 270% NA BAHIA

 

 

dengue


Há 161 casos confirmados em 71 municípios

 

A Bahia apresenta aumento de 270% no número de casos de dengue em relação ao ano passado. Vinte e cinco pessoas já morreram, segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde do Estado. De janeiro até a primeira semana de março, foram notificados 21.407 casos da doença, contra 5. 775 registrados no mesmo período de 2008.


Quanto às formas graves da doença - dengue com complicações, febre hemorrágica e síndrome do choque -, há 335  casos suspeitos e 161 confirmados em 71 municípios.


Cinco mortes foram confirmadas em Itabuna e cinco em Porto Seguro. Em Salvador e Jequié, foram três mortes em cada município. Floresta Azul  e  Simões Filho confirmaram dois óbitos em cada cidade. Também foram registradas mortes por dengue nos municípios  de Itapetinga, Itabela, Ibirataia,  Ipiaú e Ubaitaba.


Por meio de uma parceria entre os ministérios da Saúde e da Defesa, serão enviados 20 médicos e 20 enfermeiros militares para os municípios baianos em situação de alerta.  O ministro da Saúde, José Gomes Temporão  também informou que R$ 1,3 milhão já foram liberados para a aquisição de tampas e capas de caixas d’água.


De acordo com o Ministério da Saúde, sete municípios baianos estão em situação de emergência: Itabuna, Ilhéus, Ipiaú, Irecê, Jacobina, Jequié e Porto Seguro.

 

Fonte:correiodobrasil

 

 

VACINA CONTRA GRIPE PREVINE A DOENÇA EM ATÉ 80% E DEVE SER APLICADA ENTRE ABRIL E MAIO

 

Abril e maio são os meses ideais para que a população seja imunizada contra gripe, que acomete as pessoas principalmente no inverno. De acordo com Artur Timerman, infectologista e consultor do setor de vacinação do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, o vírus causador da doença circula pelo hemisfério sul de abril a setembro, com picos entre junho e julho.


Segundo o especialista, é importante tomar a vacina com antecedência, pois o organismo pode levar até duas semanas para ficar imunizado. "A gripe é uma doença infecciosa causada pelo vírus influenza, que tem como característica a capacidade de mutação. Por esse motivo, é importante que a vacinação aconteça anualmente", explica.


A vacina consegue prevenir a doença em até 80% dos casos. Pessoas que fumam e apresentam doenças pulmonares, que têm alguma doença cardíaca, diabetes ou alterações renais estão no grupo de risco para complicações da gripe e devem ser vacinadas. A vacina é indicada também para gestantes a partir do segundo trimestre de gravidez, mas sempre de acordo com recomendação médica. Crianças com até 2 anos de idade e idosos têm imunidade baixa e devem se proteger.


Os sintomas da gripe, como dor de cabeça, tosse seca, calafrio, congestão nasal, perda de apetite e febre são facilmente confundidos com os do resfriado comum. Entretanto, são mais graves, pois o vírus da gripe atinge o individuo de maneira bem mais rápida e agressiva que o resfriado, podendo levar a sérias complicações como pneumonia, otites, dor de garganta e sinusite.

 

 

_________________________


Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de
www.idademaior.com.br"