corpo-mente
 

 

 

     A IMPORTÂNCIA DO SONO

 

Você tem dormido bem? Saiba que o sono de boa qualidade também faz a diferença.

 

Você já teve a sensação que o dia tem menos que 24 horas? Estamos cada vez mais ocupados e envolvidos com diversas atividades que fazem as 24 horas do dia serem insuficientes para fazermos tudo aquilo que queremos.

 

Uma alternativa que encontramos para isso é dormir cada vez mais tarde e

acordar cada vez mais cedo. Porém, é ilusão acreditar que nosso organismo se adapta a essa situação e necessita cada vez menos de horas dormidas.

 

Dormir não é apenas uma necessidade de descanso mental e físico: durante o sono ocorrem vários processos metabólicos que, se alterados, podem afetar o equilíbrio de todo o organismo a curto, médio e, mesmo, a longo prazo. Estudos provam que quem dorme menos do que o necessário tem menor vigor físico, envelhece mais precocemente, está mais propenso a infecções, à obesidade, à hipertensão e à diabetes.

 

SONO X PESO CORPORAL

Existem 2 hormônios que estão envolvidos no controle da saciedade e fome e conseqüentemente no controle do balanço energético do organismo. Esses hormônios são a leptina e grelina.

 

A leptina é produzida pelas células do tecido adiposo (tecido que armazena a gordura); envia sinais para o hipotálamo (sistema nervoso) sobre nossa reserva energética e sinais de saciedade. Já a grelina é responsável por estimular o nosso apetite. Ela é produzida no estômago e estimula o

consumo de alimentos.

 

Estudos têm mostrado que as pessoas estão dormindo menos horas por noite com o passar dos anos. Essas horas menos dormidas refletem na redução da produção de leptina durante a noite e no aumento da produção de grelina.

 

Dessa forma, estamos produzindo mais hormônios que estimulam nosso apetite, menos hormônios sacietógenos e conseqüentemente favorecendo aumento do peso corporal. A alimentação saudável associada à atividade física para manutenção de peso saudável e saúde não serão eficientes se não existir um sono reparador durante a noite, que favorece a produção

adequada da leptina e grelina.

 

SONO X HORMÔNIO DO CRESCIMENTO

A maior parte da secreção do Hormônio de Crescimento (conhecido como GH, de sua sigla em inglês, Growth Hormone) acontece em forma de picos de liberação, várias vezes ao dia. Os picos geralmente duram de 10-30 min e então retornam aos níveis basais.

 

Durante o sono é que ocorrem os maiores picos de produção do hormônio do crescimento. Este pico ocorre durante a primeira fase do sono profundo, aproximadamente de meia a uma hora após uma pessoa dormir. Estudos provam que pessoas que dormem pouco reduzem o tempo de sono profundo e, em conseqüência, a fabricação do hormônio do crescimento.

Embora o ganho de altura seja o melhor efeito conhecido do GH, o hormônio também apresenta outras funções, como:

 

Aumenta a retenção de cálcio e a mineralização dos ossos; a massa muscular e induz a síntese de proteínas e o crescimento de vários órgãos do corpo; estimula o sistema imunológico; diminui a deposição de gorduras em algumas regiões do organismo como o abdômen e o tronco; aumento das necessidades de insulina pelo organismo e retém sódio e eletrólitos.

 

Percebe-se então, como o sono está relacionado com a regulação e o bom funcionamento do nosso organismo. Se você busca saúde, bom desempenho na atividade física e adequada composição corporal, lembre-se:

alimentação adequada + atividade física + sono de boa qualidade = melhores resultados

 

FONTE: Clínica 449  www.clinica449.com.br

 

 

METADE DA POPULAÇÃO TEM DISTÚRBIO DO SONO

 

Pesquisa realizada pela sociedade Brasileira do Sono mostrou que 43% dos brasileiros não tem um sono reparador e apresentam sinais de cansaço no decorrer do dia.

 

Os problemas mais freqüentes são: a insônia, o ronco e a apnéia. Causados por diversos fatores e quase sempre exigindo uma abordagem multidisciplinar para o tratamento. De acordo com o dr. Rubens Reimão, a insônia é mais comum na população adulta e ocorre em 25% dos brasileiros. São pessoas que não conseguem pegar no sono e ficam se virando na cama, acordam várias vezes, ou que até dormem, mas acordam mais cansadas do que no início da noite.

 

Outra disfunção de grande importância é a apnéia do sono, doença que atinge aproximadamente sete em cada 100 indivíduos, cuja incidência é maior no sexo masculino.  Dados recentes mostram que aproximadamente 24% dos homens de meia-idade e 9% das mulheres são afetados pela apnéia, sendo 16% para as formas leves a moderadas da doença e 7,5% para as graves.

 

Muitos indivíduos que roncam apresentam apnéia, que é uma parada momentânea da respiração, na maioria das vezes seguida de um pequeno despertar, que é uma resposta do sistema nervoso central diante da falta de oxigenação do cérebro tentando defender o organismo.

 

As principais causas da insônia são a depressão, ansiedade e maus hábitos para dormir. O abuso de álcool e café antes de deitar, ambiente inadequado para dormir, como quarto muito barulhento, muito frio ou muito quente, o uso da TV e o abuso do computador durante a noite  horas que seriam para dormir, são fatores determinantes para origem de distúrbios.

 

Estes distúrbios do sono podem causar problemas sérios à saude, como de relacionamentos pessoais e profissionais e acidentes graves. Dormir bem é tão importante quanto ter uma alimentação adequada.  Quando dormimos bem, acordamos com vitalidade, energia e motivação. Ao contrário, acordamos cansados, irritados e com a capacidade produtiva reduzida.

 

Fora isso, o que pouca gente sabe é que as pessoas com apnéia estão muito mais sujeitas a desenvolver a hipertensão.

 

RISCOS DE HIPERTENSÃO

Segundo estudos recentes, cerca de 40% dos indivíduos com
hipertensão arterial apresentam a síndrome da apnéia obstrutiva do sono.

 

Isto acontece porque a faringe, ao relaxar durante o sono, torna estreita a passagem de ar, provocando as vibrações típicas do ronco, até se fechar completamente e interromper o fluxo respiratório temporariamente.

 

Numa reação de defesa, o organismo libera adrenalina, que contrai os vasos, restringindo assim o espaço por onde o sangue circula. Como o volume sanguíneo precisa correr por vias contraídas, há o aumento da pressão.

 

No início, esse aumento ocorre apenas durante o sono, mas com o tempo pode passar a ser uma rotina. Por isso, a medição da pressão arterial é ainda mais importante nas pessoas com apnéia. E aqui começa mais um problema. O indivíduo que ronca e interrompe a respiração, muitas vezes nem percebe o sufoco pelo qual passa enquanto dorme, pois com a apnéia ele não respira da maneira correta e o corpo acaba não conseguindo descansar como deveria.

 

Há ainda um outro fator importante. “A pessoa com apnéia do sono apresenta maior variabilidade da pressão arterial, cujo aumento está ligado à lesão dos órgãos-alvo (coração, cérebro e rim)”, afirma Artur Beltrame Ribeiro, presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH).

 

A CPAP - pressão positiva contínua nas vias aéreas – é o tratamento mais eficaz e com maior comprovação científica para a síndrome das apnéias obstrutivas do sono. A terapia com o CPAP, aparelho colocado no nariz do paciente durante o sono, consiste basicamente em manter abertas as vias aéreas, tornando-as permeáveis.

 

“Ao reduzir o número de episódios apnéicos noturnos, o tratamento com a CPAP pode atenuar os mecanismos que levam à elevação aguda e crônica da pressão”, destaca Ribeiro. Ou seja, o uso do CPAP reduz os níveis de pressão arterial em pacientes com apnéia, além de ser essencial também a perda de peso, a redução do consumo de álcool antes de dormir e adormecer em posições laterais.

 

 

CIRURGIA PARA RESPIRAR MELHOR – ISTO EXISTE?

 

Recentes estudos da Academia Americana de Otorrinolaringologia apontam a "Cirurgia Funcional Nasal" como intervenção cirúrgica que melhora a respiração do paciente. O método utilizado para esta constatação é a "Nose Scale", uma tabela que, preenchida pelo paciente, tem mostrado a melhora da respiração, da qualidade do sono e da qualidade de vida que segue a cirurgia nasal para corrigir os problemas respiratórios. 

 

A septoplastia + turbinectomia (ou a Cirurgia Funcional Nasal propriamente dita) é indicada para promover melhor respiração nasal nos pacientes que não se beneficiam com medicamentos.

 

A septoplastia é a cirurgia do septo nasal, e é utilizada para corrigir, principalmente, o desvio de septo. Já a turbinectomia, é a cirurgia das conchas nasais, e é indicada para aqueles que têm problemas como hipertrofia de cornetos entre outros. Tanto o desvio do septo quanto a hipertrofia podem ser causadores de obstrução nasal severa, problema que atrapalha a vida de 20% dos brasileiros, de acordo com estimativa da ABR (Academia Brasileira de Rinologia) que, trazem dificuldades para dormir.

 

COMO SÃO FEITAS

Ambas as cirurgias são realizadas juntas, sendo rara a situação em que uma e outra são realizadas individualmente. O processo é relativamente simples para os otorrinolaringologistas e dura cerca de 60 minutos em média.

 

O tipo de anestesia utilizado varia entre a geral e a local com supervisão do anestesista (local assistida) e, em alguns casos, o paciente pode ir para casa no mesmo dia.

 

Depois do ato cirúrgico, o paciente é orientado a dormir com dois travesseiros, para deixar sempre a cabeça mais elevada, e a higienizar o nariz com soro fisiológico diariamente. Dois problemas corrigidos de uma vez.

 

“TAMPÃO” NÃO É MAIS UTILIZADO

Um dos grandes "pavores" dos pacientes em relação à cirurgia funcional nasal era a necessidade do uso dos tamponamentos nasais ou tampões, para estancar o sangramento. Atualmente, esses tampões raramente são utilizados, graças às técnicas cirúrgicas modernas, como a vídeo endoscopia.

 

Maiores informações HTTP://www.respirepelonariz.org.br

 

 

DORMIR POUCO AUMENTA CHANCE DE RESFRIADOS

 

Pessoas que dormem menos de sete horas por noite parecem ter três vezes mais chances de desenvolver doenças respiratórias. Este estudo publicado na revista científica Archives of Internal Medicine, das publicações JAMA/Archives.

 

Segundo os pesquisadores, a insuficiência de sono prejudica a imunidade.

 

 

SONHAR É PRECISO

 

Insônia, estresse, remédios, excesso de café estão fazendo com que as pessoas sonhem menos. Pesquisa realizada pela Med-Rio concluiu que o cérebro está com dificuldades de depurar o que acontece no cotidiano das angústias e ansiedade das pessoas.

 

O diretor da Clínica Gilberto Ururahy disse: “é preciso sonhar e ter noites mais criativas.”


 

_________________________


Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de
www.idademaior.com.br"