corpo-mente
 

 

 

dormir

 

SAIBA MAIS SOBRE INSÔNIA

 

O Departamento de Neurologia da Associação Paulista de Medicina (APM) promoveu um debate gratuito e aberto ao público sobre a insônia neste mes, quando abordou desde os problemas de saúde decorrentes deste distúrbio do sono e dicas para prevenir o problema. O objetivo foi propiciar aos pacientes mais qualidade de sono e de vida.

 

A insônia atinge de 20 a 30% da população, levando à dificuldade para dormir, para voltar a dormir após despertar durante a noite ou, ainda, a um sono que não é suficientemente reparador. O que dificulta o diagnóstico é justamente o fato de a maior parte de seus portadores não saber que existe tratamento para em muitos casos.

 

 “A insônia é a dificuldade de iniciar o sono ou mantê-lo durante toda a noite. Se o problema persiste, é importante detectar as possíveis causas”, disse o dr. Rubens Reimão, presidente do Departamento de Neurologia da APM. 

 

De acordo com ele: “Hábitos como passar horas em frente ao computador ou o consumo excessivo de cafeína, presente não apenas no café, mas também no chá preto e nos refrigerantes a base de cola, no período da noite, dormir em ambientes barulhentos, com claridade ou pouco arejados são alguns dos equívocos verificados entre os portadores de insônia”.

 

O dr. Rubens Reimão alertou que o número de horas dormidas não é o mais importante, mas sim a qualidade de sono. “Hoje consideramos essencial um sono de boa qualidade, que é o que nos possibilita acordar bem dispostos no dia seguinte”.

 

Outro foco do encontro foi mostrar à população a importância da orientação médica no tratamento da insônia. “É fundamental que as pessoas procurem um especialista para tratar o distúrbio especificamente de acordo com sua causa”, orienta o Dr. Rubens. Entre os assuntos relacionados ao distúrbio em pauta estão depressão, estresse e até doenças e medicamentos que podem interferir no sono.

 

O especialista disse que utilizar medicação para dormir por conta própria é muito perigoso e pode causar dependência. Nos idosos, a automedicação para dormir é ainda mais perigosa. “Ministrada por conta própria e em doses inadequadas pode deixar o indivíduo excessivamente sonolento durante uma ida ao banheiro no meio da noite, favorecendo quedas e outros acidentes graves”.

 

 “Dificuldade constante para dormir deve sempre ser investigada por um médico. Uma boa noite de sono é tão importante quanto uma alimentação saudável ou a prática de exercícios para manter o corpo e a mente saudáveis”, afirmaou o dr. Reimão. 

 

De acordo com a fisioterapeuta Patrícia Daniele Araújo, a prática de atividade física regular é outra ferramenta importante para as noites de sono, mas devem ser feitas de preferência durante o dia. “Caso a disponibilidade de tempo seja para realizar estas atividades à noite, o ideal é fazer uma atividade mais leve”.

 

 

BOA NOITE DE SONO AJUDA TAMBÉM NA PERDA DE PESO

 

Existe conexão entre a redução do peso e a quantidade de tempo de sono. Os responsáveis por esse fenômeno são dois hormônios que controlam o apetite: a grelina e a lectina. Durante o sono, os hormônios que controlam o apetite trabalham.

 

Os níveis de grelina, responsável pelo aumento do apetite, sobem quando o sono é prejudicado, enquanto que a lectina, que promove sensação de saciedade, diminui.

 

Um estudo publicado no Psychoneuroendocrinology mostra prejuízo significativo nos níveis noturnos de grelina em pessoas com insônia crônica.

 

Disfunções vinculadas a esse hormônio levam os insones a ter mais apetite durante o dia, desencadeando aumento de peso a longo prazo.

 

Dormir mal eleva os níveis de cortisol, responsável pelo stress, provocando desejo por alimentos como os carboidratos.

 

Segundo os pesquisadores, durante o sono, o cérebro secreta o hormônio do crescimento, ajudando o corpo a converter gordura em energia.Um adulto deve dormir ao menos sete horas e meia a cada 24 horas. Os pesquisadores garantem que, para conseguir um peso ideal, é necessário, além de dieta e exercícios físicos, uma boa noite de sono.

Por Redação, com agências internacionais

 

NOVO MEDICAMENTO CONTRA A INSÔNIA

 

O laboratório israelense Neurim Pharmaceuticals está produzindo uma nova droga contra a insônia, o Circadin, que restaura o sono sem provocar os efeitos colaterais típicos dos medicamentos tradicionais, como indisposição e amnésia. O novo remédio nasceu de pesquisas da dra. Nava Zisapel, da Universidade de Tel Aviv.

 

Ao contrário de outras drogas, que agem diretamente sobre o cérebro, o Circadin libera gradativamente a melatonina, hormônio da glândula pineal derivado da serotonina responsável por  preparar o corpo para o sono. “O Circadin não apenas apressa o início do sono como garante melhor qualidade das horas dormidas”, diz Zisapel.

 

 

_________________________


Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de
www.idademaior.com.br"