fatos
 

 

PERFIL DO IDOSO

 

Na última década, a população de pessoas com 60 anos ou mais cresceu 47,8%, número bastante superior aos 21,6% da população brasileira total no mesmo período. Segundo a Síntese de Indicadores Sociais, do IBGE, esse aumento se deve, principalmente, à menor taxa de mortalidade em função dos avanços da medicina e dos meios de comunicação.

 

No Brasil, a população classificada de “idosa” representam 10,5% da sociedade; 83% deles vivem nas cidades.

 

A quantidade de idosas é superior a de idosos. Em 2007, havia 79 homens com mais de 60 anos para cada 100 mulheres nesta faixa etária. Quanto maior a idade, maior a diferença entre os sexos.

 

O nível de instrução vem crescendo desde 1997 no país, inclusive na faixa etária dos idosos. Mas as pessoas com mais de 60 anos sem instrução ou menos de um ano de estudo ainda representam 32,2% do total.

 

Em torno de 71% dos idosos registrados conseguem ter independência financeira. Eles são responsáveis por uma renda anual de R$ 243 bilhões, um poder de compra nada desprezível. Apenas 5% dos homens e 23% das mulheres dessa faixa da população declaram-se em dificuldades financeiras.

A maior parte da renda percebida pelos idosos, em torno de 49%, é originária de ganhos da Previdência. Em seguida, 39% dos rendimentos, são provenientes de trabalho. Receitas advindas de aluguéis representam 7% da renda anual declarada.


Do total de idosos conhecidos no Brasil, 55% são mulheres, que apresentam uma expectativa de vida superior aos homens. A viuvez das mulheres idosas é 3,4 vezes maior do que a dos homens idosos. Devido à expectativa de vida maior e por terem mais chance de se tornarem viúvas na terceira idade, a tendência é que as mulheres idosas tenham uma velhice mais solitária.

 

 

O POTENCIAL CONSUMIDOR DA TERCEIRA IDADE

MARCOS MORITA

 

Enfim, boas novas aos aposentados e pensionistas. Além da antecipação da primeira parcela do 13° salário, despejando quase 7 bilhões de reais na economia, há a possibilidade de aumentos reais atrelados à variação do PIB dos dois últimos anos. A proposta, que precisa ser aprovada no Congresso, prevê que o ganho real será ao redor de 2,55% em 2010, o que somado à reposição da inflação chegaria a um reajuste de quase 6%.

 

Estas notícias colocaram foco sobre este grupo heterogêneo, formado por aqueles que já completaram 60 anos. Composto por 15 milhões de pessoas ou 14% da população adulta, são responsáveis por mais de 47 milhões de domicílios. Com renda média de R$ 866 reais, são formadores de opinião das famílias, decidindo ou influenciando as decisões de compras.

 

O avanço da medicina e a melhoria da qualidade de vida fizeram com que a expectativa de vida do brasileiro chegasse aos 72 anos, avançando 17 anos desde 1960. Ainda estamos longe de países como o Japão, onde a expectativa é de 82 anos, porém um pouco melhores que os 67 da média mundial. Tudo indica que em 2020 sejam mais de 30 milhões de brasileiros neste grupo. Ou seja, o dobro do que temos hoje!

 

Apesar das evidências, são poucas as empresas que exploram este nicho de mercado de maneira consistente e adequada, com produtos e serviços especialmente desenhados para esta parcela da população. Analisando-se as variáveis do mix de marketing - produto, praça, promoção e preço - percebe-se a utilização com frequência das duas últimas, adequando-se à oferta existente.

 

Pacotes turísticos e cruzeiros em baixa temporada, cursos e faculdades da terceira idade, cartões de desconto em farmácias e drogarias, são alguns exemplos. Convenientes por oferecer condições de preços especiais em períodos com baixa demanda, ajudam a cobrir os custos fixos envolvidos na operação. Em sua maioria a mesma oferta de serviços, sem maiores adequações as necessidades desta fase da vida.

 

Ter mais dificuldades para ler, apresentar movimentos mais lentos, lembrar com menos acuracidade dos fatos presentes e andar mais devagar são consequências inexoráveis da idade. Entretanto, isso pode ser visto como uma oportunidade imensa para as empresas desenvolverem as duas primeiras variáveis do mix de marketing - produto e praça - sem ter que recorrer apenas a descontos e promoções.

 

Um bom exemplo do potencial destes consumidores é o campo tecnológico. A exclusão digital, tão comentada nos dias de hoje, não se aplica somente às camadas mais carentes da população. Grande parte dos idosos não teve acesso à tecnologia enquanto estavam no mercado de trabalho.

 

Produzir computadores com programas mais simples, celulares com dígitos maiores, porta remédios que avisem à hora de tomá-los, fechaduras que se abram utilizando as impressões digitais, carros com mostradores mais fáceis de enxergar e tantas outras adequações a este público já estão nos planos de diversos fabricantes mundiais.

 

Criar produtos que possam eliminar a barreira entre as gerações pode gerar lucros atuais e potenciais para as empresas que o fizerem. Somado a isso estará o valor da vantagem competitiva gerada pelo pioneirismo.

 

Talvez ainda não tenhamos no Brasil as mesmas oportunidades de países como os Estados Unidos, o qual conta com uma geração denominada de baby boomers. Nascidos após a 2° guerra, compõem um universo de 74 milhões de pessoas, cuja renda anual chega a impressionantes U$ 157 mil dólares. Estes boomers são responsáveis pela compra de 48% dos carros de luxo e ocupam 70% das vagas em cruzeiros.

 

No nosso país, a economia estável pós-real criou instrumentos para que uma geração possa planejar sua aposentadoria. São hoje mais de 155 bilhões de reais investidos em planos de previdência privada e complementar, com quase 15 milhões de investidores.

 

Quem sabe em 2020, grande parte dos 30 milhões de aposentados e pensionistas possa gozar da qualidade de vida e do padrão de consumo dos boomers americanos. Sorte de quem planejou, acreditou e investiu neste poderoso grupo.

 

Marcos Morita é mestre em administração de empresas e professor das disciplinas de planejamento estratégico e gestão de serviços na Universidade Presbiteriana Mackenzie. É executivo há 15 anos em multinacionais, com experiência em canais indiretos de vendas, lançamento de produtos, criação de novos negócios e programas de fidelidade.

 

 

CADEIRA AMIGA®

 

 cadeira-amiga

 

 

A Marfinite, tradicional fabricante de plásticos injetados, apresenta a Cadeira Amiga® ao mercado. O produto é indicado para portadores de deficiência, idosos e pessoas com alguma dificuldade de mobilidade, que necessitem permanecer sentadas ou se locomover dentro de casa.

 

A cadeira possui rodinhas e medidas ideais para circular em ambientes internos: 80 cm de altura total, 51 cm de altura do assento, 57 cm de largura e 77 cm de profundidade. Além disso, é fabricada em polipropileno e resinas de nylon, podendo ser lavada e esterilizada em água fervente. O assento possui abertura para a utilização em vaso sanitário ou acoplamento de reservatório especial.  Desmontável, também é propício para o transporte em automóveis.

 

Com este produto, a Marfinite pretende dar uma atenção especial para a questão da acessibilidade, principalmente em relação a pacientes que utilizam serviços home care. Segundo o Sistema Único de Saúde (SUS), 75% das lesões com pessoas com mais de 60 anos acontecem dentro de casa e 34% das quedas provocam algum tipo de fratura. Quase metade desses acidentes (46%) acontece no trajeto entre o banheiro e o quarto, principalmente à noite. Para profissionais da área, esses números seriam menos significantes se o paciente, ou o idoso, estivesse utilizando algum meio seguro para se locomover.

 

A Cadeira Amiga® pode ser encontrada em lojas especializadas ou nos pontos de venda da Marfinite. Para mais informações, entre em contato pelos telefones (11) 4646-8500 / (11) 2066-2300. O preço sugerido, para o consumidor final é de R$ 170,00.

 

BRACELETE QUE MONITORA

 

As clínicas de repouso têm agora um novo aliado na tarefa de cuidar dos idosos, especialmente daqueles que sofrem do mal de Alzheimer ou de demência: trata-se do Home Free Elite, um bracelete fabricado pela empresa israelense Home Free.

 

O dispositivo registra e transmite a um centro de monitoramento, em tempo real, a localização da pessoa. Isso permite às clínicas eliminar os rígidos controles de entrada e a saída, dando aos pacientes maior flexibilidade.

 

Por meio do bracelete, o paciente também pode eventualmente chamar as enfermeiras. A empresa deve lançar ainda este ano uma versão mais sofisticada do dispositivo, equipadocom GPS.  

 

 

 

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"