O PARAÍSO FICA AQUI

 

 

Foto: Acervo ADEFN

 

E ele se chama Fernando de Noronha e foi descoberta em 1503. Com areias douradas, mar em tons de azul turquesa e verde esmeralda, corais, vida marinha esplendorosa, mata, formações rochosas e a 545 quilômetros do Recife. Só para se ter uma idéia, os golfinhos vem bem perto das embarcações para saudar os visitantes.

 

A ilha é pequena, tem apenas 17 quilômetros quadrados e com seis quilômetros de extensão. Acessível por avião ou navio, Noronha não é um destino barato – todos os produtos disponíveis no arquipélago vêm do continente, o que encarece todos os custos. Mesmo assim, não fique pouco tempo, porque cada real gasto , vale a pena pelos cenários vislumbrados em cima e embaixo d´água. Entre eles estão as praias da Baía do Sancho, da Baía dos Porcos e do Leão , que estão entre as dez mais bonitas do Brasil e os morros dos Dois Irmãos e do Pico, cartões-postais de Noronha.


Fonte: Pam Hughes, inclusive é dela a foto da página principal.

 

 

UMA PAISAGEM SURPREENDENTE

 

 

Atacama

 

Fui visitar o Deserto de Atacama, ao norte do Chile, em fevereiro. Lá conheci  paisagens surpreendentes e bem diferentes do que qualquer uma que poderia esperar. São picos nevados, lagoas de águas coloridas, imensas salinas, cânions profundos por onde passam riachos, gêiseres, vales que mais parecem paisagens lunares, vulcões ativos, pequenos vilarejos e ruínas de cidades da época dos incas.

 

O Deserto de Atacama é considerado o lugar mais seco do mundo, isto porque pouca umidade é levada ao continente e mesmo a que consegue chegar, acaba barrada pela Cordilheira dos Andes.

 

Para se conhecê-lo deve-se ficar na cidade de San Pedro, principal centro turístico do Atacama, que fica a 2.400 metros de altitude na beira do Salar de Atacama, um lago salgado que evaporou e deixou apenas uma espessa camada de sal. É uma sensação fantástica, caminhar nessa imensa plataforma de sal.

 

Lá se pode apreciar o pôr-do-sol mais lindo do deserto, quando suas dunas, crateras e muitas outras formas esculpidas em arenito avermelhado adquirem uma tonalidade lilás, com os cristais de sal das encostas refletindo a luz da lua.

Fonte: Fernanda Myano

 

ILHA DOS AMORES 

 

ilha dos Amores

 

No Carnaval fui à Ilha de Paquetá no Rio, que tem histórias românticas, lendas indígenas e uma vida pacata e bucólica, típica de uma cidade do interior. Descoberta em 1555 pelos franceses , seu nome em dialeto Tupi, dado pelos índios Tamoios, significa um " lugar habitado por pacas " – que viviam em bandos ali, naquela época.

Chamada de Ilha dos Amores pelo Príncipe Regente, ela teve inúmeros admiradores conhecidos, entre eles, o próprio Dom João VI, José Bonifácio, Carlos Gomes e Carlos Lacerda (foto acima de Juan Gutierrez, 1894).

 

Até o início da década de 70, o local era muito procurado por veranistas e faz parte das lembranças de muitos marmanjos atuais, inclusive eu, que passei bons momentos da infância brincando nas areias da Praia José Bonifácio, passeando de charrete ou pedalando pela ilha, transformada em Área de Proteção do Ambiente Cultural (Apac) em 1999.

 

Até hoje, quando se pega a barca ou o rápido catamarã, que faz a travessia na Baía da Guanabara em apenas 20 minutos, partindo da Praça 15, é como se viajássemos no túnel do tempo. Por suas ruas de paralelepípedo ou de terra batida, repletas de floridos flamboyants e buganvilles, circulam apenas charretes, quadriciclos de pedal e inúmeras bicicletas, já que os carros são proibidos. Apenas andam os de serviço: lixo, mudanças, etc.

 

Nesta paisagem privilegiada, pode-se fazer caminhadas por trilhas que levam a mirantes, andar de pedalinhos, caiaques, charretes e, se comer um peixe frito acompanhado de cerveja bem gelada à sombra de uma árvore, com direito a ouvir o canto dos pássaros. Não vale a pena?

Fonte: Clélio Raposo

 

KEY GARDENS

 

Key-Garden

 

Para quem nunca ouviu falar em Key Gardens, saiba que é o mais importante jardim botânico do Reino Unido e fica a apenas 45 minutos de metrô de Londres. Seus jardins datam de 1759, mas estiveram praticamente abandonados entre 1820 e 1841, sendo salvo pela criação de um sistema que beneficia tanto a ciência como o público em geral.

 

Lá é um importante centro de pesquisa e estudos, que cuida da preservação da flora estrangeira. Só para se ter uma idéia, estão lá entre as espécies cultivadas, seringueiras, que enviados de sua majestade trouxeram de lugares como a Amazônia, para estudar as origens da borracha.  Não é o máximo vermos nossa flora preservada?

Fonte: Renata Cisalpino

 

CIRCUITO MINEIRO DE SAÚDE

 

Os índios já sabiam que aquele líquido que nascia nas montanhas era diferente. Os primeiros desbravadores de Minas Gerais constataram também que aquela água tinha algo a mais, além do sabor.

 

A fama das águas desta região no século XIX trouxe a Família Imperial em busca de sua energia curadora. A partir daí, as cidades no sul de Minas, ganharam fama nacional e internacional.

 

Formado por dez municípios, localizado no sul do estado de Minas Gerais, o Circuito das Águas é o maior complexo hidromineral do mundo. Mensalmente, recebe turistas de todas as partes que vêem em busca de suas águas medicinais e curativas.

 

Caxambu, São Lourenço, Cambuquira, Lambari, Campanha, Heliodora, Conceição do Rio Verde e Soledade de Minas são as cidades que fazem parte dessa riqueza hídrica e oferecem boa infra-estrutura para receber turistas em termos de pousadas, hotéis e restaurantes.  Foram as férias mais relaxantes que tivemos!

Fonte: Maria Odette Carvalho

 

 

SERVIÇOS EM PARIS OFERECIDOS AOS BRASILEIROS

 

  igreja

 

A cada ano, mais brasileiros deixam o país para conhecer o exterior. Em todo o ano de 2009, os gastos dos turistas no exterior foram de US$ 10,898, um resultado bem próximo do recorde histórico de 2008, que foi de US$ 10,962 bilhões. E a tendência é de aumento, pois na comparação mensal, os gastos de dezembro de 2009 foram 93% maiores do que no mesmo mês em 2008.


Paris é um dos destinos mais visitados pelo turista brasileiro. É impossível andar pelas ruas da cidade sem ouvir pessoas falando português com o sotaque brasileiro. Assim, há cada vez mais serviços direcionados ao turista brasileiro que está na Cidade Luz.  E muitos desses serviços são oferecidos não só por brasileiros que moram lá, mas também por franceses interessados no nosso país, que chegam inclusive a aprender português para atender melhor seus clientes.

Um exemplo disso é David Martins, francês, formado em turismo, recebe brasileiros em Paris há oito anos. Ele leva o turista onde ele quer, como um anfitrião, aquele amigo que te leva para conhecer não só os pontos turísticos, como até aquele lugar que só um morador conhece.

 

Ele não oferece roteiros estáticos, seu trabalho é personalizado, de acordo com o jeito de  viajar e a preferência de cada cliente. Ele oferece desde o transfer aeroporto/hotel/aeroporto, até passeios pela cidade e seus arredores, como Disneyland Paris (com desconto nos ingressos), Versalhes e Vale do Loire, por exemplo. Só depende do que o turista desejar. Se o cliente quiser até conhecer um lugar inusitado, diferente, ele leva também.

 

A escolha em trabalhar somente com brasileiros vem do fato de falar português fluentemente e ser apaixonado pela nossa cultura. Apesar de ser filho de portugueses, seu sotaque é brasileiro. “Muitos de meus clientes falam que eu sou o mais brasileiro de todos parisienses", diz.  Com bom humor, ele conta que alguns, inclusive, chegam a duvidar de que ele seja francês de verdade e não um imigrante do Brasil.

Serviço: David Martins - Turismo especializado para brasileiros em Paris
Contato: newdelhice@hotmail.fr

Imagem da Eglise Saint-Eustache (foto Nitot).

 

 

 

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"