OS PODEROSOS PODEM MATAR UMA,

DUAS OU TRÊS ROSAS,
MAS JAMAIS CONSEGUIRÃO DETER A PRIMAVERA INTEIRA.

CHE GUEVARA

PRIMAVERA
CECÍLIA MEIRELES

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul.
Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.


Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

A PRIMAVERA - QUADRO PINTADO POR SANDRO BOTICELLI, EM 1482,QUE REPRESENTA O IMPÉRIO DE VÊNUS OU AFRODITE (NO CENTRO DA IMAGEM), NO QUAL PENETRAM O AMOR E A PRIMAVERA, COM SUA ABUNDÂNCIA DE FLORES.

primavera-boticelli

 

PRIMAVERA:
TEMPO DE FERTILIDADE E BELEZA

ROSE AIELO BLANCO

A entrada da estação mais florida do ano!. O momento marca o equinócio da primavera, quando ocorre uma importante transição: até esta data, o norte terrestre é atingido com maior incidência pelos raios solares mas, com a mudança marcada pelo equinócio, é a vez do hemisfério sul da Terra receber maior insolação.

No seu movimento diurno, o Sol não percorre o mesmo caminho no céu. Algo especial acontece duas vezes por ano: é quando o Sol passa exatamente sobre a linha do equador. Essas duas datas são os equinócios de outono e primavera. Nestas ocasiões, o sol nasce exatamente no leste e se põe no oeste. Outro dado interessante: nessas datas, a duração do dia é realmente igual à da noite, por essa razão adotou-se o nome latino "equinócio", que significa "noite igual ao dia".

As estações do ano são períodos de aproximadamente três meses, entre um solstício (inverno ou verão) e um equinócio (primavera ou outono), que dividem o ano.

As estações estão tradicionalmente associadas ao ciclo anual das plantas, especialmente àquelas cultivadas. O inverno é a estação do repouso e da dormência - tempo de poupar as energias - ; a primavera é o tempo do plantio e da germinação; o verão é o período do crescimento e maturidade e o outono é a época da colheita.

As definições rígidas de datas são consideradas por muitos apenas como convenção, uma vez que na natureza é difícil "marcar hora". Se o ser humano estivesse sintonizado com os ritmos e ciclos da natureza, seria possível perceber as mudanças e teria um verdadeiro calendário natural.

 

quadro-botecelli

Legenda: Detalhe do quadro A Primavera (Boticelli), a deusa das flores primaveris está enfeitada como uma rica flora.

Vários povos antigos, espalhados pelo mundo, detinham conhecimentos astronômicos fabulosos que explicam porque eram capazes de aplicá-los em vários setores da vida. Outros, apesar de não deixarem registros deste conhecimento, demonstraram sinais de sua sintonia com a natureza em rituais que marcavam a mudança das estações.

Assim, tanto os equinócios de primavera e outono como os solstícios de verão e inverno representavam mudanças importantes nos ciclos da natureza. Exemplo disso é o registro de um rito praticado pelos índios da região central do Brasil.

O ritual era realizado exatamente no dia do equinócio: antes do amanhecer, o pajé levava uma bola de látex ao extremo leste da rua central que dividia a aldeia em norte e sul. Então, ao nascer do Sol, a bola era entregue a uma fileira de guerreiros do norte, que a passavam aos do sul. Dessa forma, o rito imitava a dança do Sol, passando de um hemisfério para o outro no dia do equinócio.

Antigos gregos, egípcios, sumérios, babilônios e celtas foram povos que agradeciam à "mãe terra" tudo o que ela lhes oferecia: alimentos, curas e riquezas. E agradeciam com cerimônias que eram realizadas no início e final de cada estação, ou seja, nos equinócios e solstícios.

A primavera, em quase todas as tradições, é tida como a fase de fertilidade e beleza da "mãe terra" ou natureza, é quando todos os seres, plantas e animais, acordam de seu repouso (inverno) para um novo ciclo de produtividade. É quando tudo se enfeita e se torna belo e fértil, para garantir a frutificação. Não é à toa que a primavera é considerada a mais bela estação do ano!

Rose Aielo Blanco é jornalista, escritora e editora do site www.jardimdeflores.com.br, que foi nossa fonte.

 

flores-primavera

 

ESTÃO VOLTANDO AS FLORES


 Esta Marcha Rancho de 1961, composta por Paulo Soledade e interpretada por Altemar Dutra. Ela foi também interpretada por Dalva de oliveira e Helena de Lima e foi de grande sucesso na década de 60.

VÊ, ESTÃO VOLTANDO AS FLORES,

VÊ, NESSA MANHÃ TÃO LINDA,

VÊ, COMO É BONITA A VIDA,

VÊ, HÁ ESPERANÇA AINDA.
 
 VÊ, AS NUVENS VÃO PASSANDO,

VÊ, UM NOVO CÉU SE ABRINDO,

VÊ, O SOL ILUMINANDO,

POR ONDE NÓS VAMOS INDO,

POR ONDE NÓS VAMOS INDO.

POR ONDE NÓS VAMOS INDO.

LAIA LAIA LAIA

 

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALAMOS DE ORQUIDEAS


A primavera chegou. E com ela a oportunidade de usufruir desse presente maravilhoso da natureza, que são as flores. Há flores de todas as cores e matizes. As brancas - gardênia, lírio, jasmim, tulipa, dama da noite - têm a elegância da aristocracia.

A duquesa de Windsor escolheu somente flores brancas para enfeitar seu jardim. As camélias foram escolhidas por Coco Chanel como símbolo de sua marca. As vermelhas, principalmente as rosas, trazem a intensidade da paixão, do amor e também simbolizam a devoção a Santa Teresinha.

Um buquê no quarto de hóspedes expressa o carinho que você tem por seu convidado. Além do que as flores estão presentes em todos os momentos da vida de uma pessoa, desde do nascimento até a morte.

FASCÍNIO
As flores possuem um poder de sedução magnífico. Não existe no mundo quem receba um buquê e não fique num deleite absoluto. Há pessoas que não vivem sem a companhia das flores. m verdadeiro sonho.

Pouca gente sabe que Elton John é mais alucinado por flores que por óculos. Em todas as suas residências há uma salinha especialmente montada para fazer arranjos. Ele tem duas floristas que vão à sua casa uma vez por semana, religiosamente, para fazer arranjos para todos os ambientes. Elas chegam a usar, somente em sua casa de campo, até mil flores por semana, e uma média de 650 no apartamento de Londres.

JEFF LEATHAM
As flores têm o poder de transformar completamente um espaço. O Hotel George V, em Paris, passou a ser todo decorado pelo florista americano Jeff Leatham, um inovador na concepção de fazer arranjos. Leatham usa muitos vidros transparentes, repletos de flores colocadas de maneira atravessada dentro deles.

Dá chance a folhas e flores a que antes ninguém dava valor, tornando-as dignas e nobres. Brinca com as cores e a transparência do vidro de maneira fenomenal, transformando um ambiente predominantemente austero, num espaço acolhedor, festivo e sofisticado. Graças aos arranjos feitos por ele e espalhados por todos os cantos do hotel, tem-se a sensação de estar entrando, quase como num toque de mágica, num mundo encantado. É um verdadeiro sonho.

No mundo inteiro e no Brasil, o estilo de Jeff Leatham virou tendência e todos passaram a segui-lo.

ARRANJOS
O resultado final de um arranjo depende da mistura de cores, perfumes e texturas usados. Não se deve esquecer de que tudo o que vem da natureza é bem-vindo e nada é descartado. Portanto, em se tratando de interpretar a natureza, tudo pode ser aproveitado. A arte de misturar flores é capaz de proporcionar os mais diversos efeitos. Alguns arranjos são vibrantes, outros leves parecem flutuar. Uns são tão delicados que emocionam. E há os que chegam a aguçar os sentidos, estimular a visão, o tato e o paladar.

 FESTAS
As flores têm cara de festa, perfumam, dão vida e requinte a qualquer ambiente.
As cores dos buquês podem ser responsáveis pelo toque de humor de uma festa, de um ambiente ou de uma ocasião. Numa festa, devem ser mais teatrais, ultrapassar as expectativas, surpreender e causar admiração. Nesses casos os excessos são permitidos, mas guarde-os somente para os grandes eventos. Nem pensar em exageros nas reuniões menores, como um jantarzinho, onde o bom senso não pode faltar: escolher flores que não tenham perfume muito forte para a mesa de jantar é importante, nada de angélicas ou jasmins, pois os cheiros das flores e os sabores da comida não devem se misturar, embora, numa sala, num hall ou num banheiro social fiquem perfeitos.

DIA A DIA
Acho que uma casa sem flor é uma casa sem alma. É o que faz a diferença e expressa o estilo da dona da casa. Não é necessário ter um arranjo enorme em sua sala, basta, para o dia-a-dia, um vaso de Phalaenopsis, uma orquídea que amo, para dar um ar de alegria ao ambiente. O importante é a imaginação, fundamental na confecção de um arranjo de flores.
Ah, já ia me esquecendo: flor em barco é cafonérrimo, e as artificiais são piores ainda.

Fonte:http://www.portalmundodasflores.com.br/

EXPOFLORA

A 27a. edição da Expoflora vai até 21 de setembro de quinta à domigo das 09 às 19h em Holambra/SP. Procure chegar cedo para aproveitar melhor o seu dia. Marque com seu grupo a saída para depois das 18 horas. Evite filas nos restaurantes e principalmente na Exposição de Flores. O clima em setembro é de calor com possibilidades de chuvas no final do dia. Procure orientar seu grupo para estarem prevenidos com relação a roupas leves e principalmente calçados confortáveis.

Programe as compras de flores para um dos períodos (tarde ou manhã) e utilize-se do guarda-volumes . Não se preocupe, as flores são constantemente  renovadas e não irão faltar variedades e quantidades suficientes.

PASSEIO TURÍSTICO
Durante a Expoflora, o público tem uma oportunidade rara de conhecer os famosos campos de flores de Holambra. O passeio turístico tem saída do recinto e pode ser realizado por todos os visitantes da Expoflora. Estagiários do curso de Turismo da PUC Campinas são especialmente orientados para servir de monitores e contar as histórias do município, da Cooperativa Holambra e também noções básicas sobre o cultivo de flores.
Conheça a história, a arquitetura e os famosos campos de flores dessa cidade que mantém as características de sua colonização holandesa.O total de percurso de 22 km em estrada asfaltada e com duração aproximada de 50 minutos.

PASSEIOS ALTERNATIVOS:
A região é muito rica em atrações turísticas. Para aproveitar melhor a visita, caso você pretenda ficar mais de um dia, recomendamos:
- Amparo : Cidade histórica. Distância 43 Km
· Águas de Lindóia, Lindóia e Serra Negra: Estâncias Climáticas. Distância de Holambra: 80 km
· Jaguariúna: Passeio com Maria Fumaça. Distância de Holambra: 17 km.
· Monte Sião: Maior pólo de produção de Malhas e Tricot do Brasil. Distância de Holambra: 90 km
· Pedreira: Maior pólo cerâmico do Brasil. Distância de Holambra: 30 km

 

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"