CRISE PROVOCA QUEDA DA CIRCULAÇÃO

DE JORNAIS EM JANEIRO

O ano de 2009 não começou bem para o mercado de jornais impressos. Conforme Milton Coelho da Graça adiantou nesta segunda-feira em sua coluna Extra! Extra!, o setor apresentou queda na circulação em janeiro quando comparado com o mesmo mês de 2008. A diminuição foi de 1,4%, alcançando um total de 4.249.950, contra 4.310.245 no ano anterior.

 

De acordo com o diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais, Ricardo Pedreira, o resultado obtido em janeiro deste ano tem relação direta com a crise que afeta a economia brasileira.

 

“Tradicionalmente a circulação de jornais está diretamente relacionada com o desempenho da economia. Na medida em que a economia cresce, a circulação aumenta; quando há uma desaceleração, a circulação diminui”, explica.

          

 

grafico

 

   

Entre os dez maiores jornais do País a situação é pior. A queda é de 4,67%, de 2.301.276 em janeiro de 2008 para 2.193.775 neste ano. O Extra foi quem mais perdeu leitores, quase 60 mil, com variação negativa de 19,2%. O Estado de S. Paulo vem logo atrás, com diminuição de 15,42% na circulação, o que representa cerca de 40 mil exemplares.

 

O Globo e a Folha de S. Paulo também tiveram diminuição na circulação. O diário carioca apresentou queda de 8,61%, cerca de 25 mil exemplares. No jornal paulista, a diminuição foi de aproximadamente cinco mil exemplares, ou 1,6%.

 

Pedreira informa que a ANJ já esperava a queda na circulação de jornais e os números de janeiro confirmaram as expectativas. Entretanto, considera prematura qualquer análise sobre o comportamento do mercado ao longo do ano, já que a situação deve ser revertida tão logo a economia brasileira se recupere.

 

Em 2008, o mercado apresentou crescimento de 5% em relação ao ano anterior. Entretanto, no final do ano já apresentava sinais de desaceleração, com o mês de dezembro tendo a menor média de circulação. Os números são do Instituto Verificador de Circulação.

 

Sérgio Matsuura, do Rio de Janeiro

 

 

A CRISE NÃO É ECONÔMICA. É ÉTICA, PORTANTO CULTURAL LEONARDO BRANT    

 

crise


Embora os efeitos econômicos da crise sejam os mais alarmados e comentados pela mídia, precisamos nos dedicar um pouco do nosso olhar para as suas reais causas, de natureza ética e cultural. Continuação »

 

 

 

1ª AUDIOLIVRARIA É INAUGURADA EM SÃO PAULO

 

A AUDIOLIVRO Editora, a primeira e maior editora de livros em áudio do Brasil, inaugura a primeira livraria especializada em audiolivros, dos mais diferentes gêneros.

 

Comuns em países, como Estados Unidos e Alemanha, onde possuem lojas especializadas, os audiolivros agora no Brasil podem contar com um lugar específico para essa mídia cultural. Inicialmente serão apenas títulos em português; mas, em breve, a loja também irá oferecer títulos em inglês.

 

A primeira livraria ainda é modesta, apenas 30 metros quadrados, e está localizada em local de fácil acesso, bem atrás do shopping Metrô Tatuapé (na capital de São Paulo).

 

A audiolivraria irá comercializar tanto os títulos da própria editora, como também de outras editoras de audiolivros, assim como já acontece com o site da empresa. O cliente leva seu tocador de MP3 até a loja e compra apenas o download do audiolivro, que poderá ser carregado ali, na hora, por um custo bem menor. Para facilitar a vida das pessoas que ainda não possuem tocadores de MP3, a loja irá comercializá-los também.

 

A idéia é expandir as audiolivrarias, a partir do próximo ano, para outras capitais e depois iniciar um projeto de franquias pelo Brasil.

 

Quem quiser conhecer a primeira loja de audiolivros do Brasil, a loja estará aberta, de segunda a sábado (das 10h às 18h), na Rua Bom Sucesso, 247. Tel.: (11) 2098-3331.

 

 

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO VAI “PEGAR”?

JOSÉ PAULO MOREIRA DE OLIVEIRA

 

O fato é que muitos não creem no acordo e o repudiam; outros veem na reforma o aumento saudável do intercâmbio entre os povos de língua portuguesa, que poderá alçar voos mais altos.


Por ora, a questão é polémica – ou polêmica. O futuro é que vai decidir quem está com a razão. E se a ideia deste acordo valeu a pena.Leia mais

LEITURA PODE REVOLUCIONAR A SOCIEDADE

 

No Brasil temos 77 milhões de não-leitores, conforme a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro, coordenada pelo escritor Galeno Amorim. E a partir desta constatação, ele perguntou  Por que e para que ler? durante sua palestra Os Livros Mudam o Mundo! a alunos e professores dos cursos de Pedagogia e Letras, das Faculdades COC, em Ribeirão Preto.

 

Patrono da 9ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto e considerado um dos maiores especialistas do tema no País, Galeno, que também é diretor do Observatório do Livro e Leitura, respondeu a diversas perguntas dos alunos, como, por exemplo, o que caracteriza uma boa leitura.

 

- “Não há uma regra para isso. Mas deve haver respeito ao gosto de cada um. Pois, por meio dos livros, passamos por um processo de evolução, que nos impulsiona para vida a cada livro lido e, com o tempo, encontramos nosso próprio caminho para leitura”, afirmou.

 

palestrantes

 

Daniela, do 5º período de Pedagogia, abordou aspectos do analfabetismo, que impede o acesso aos livros. Galeno afirmou que, além do papel de alfabetizar, o Estado dever ampliar sua missão de promover políticas que possibilitem ao recém-alfabetizado (crianças, jovens e adultos) seguir no caminho dos livros. “Se não houver estímulo, como projetos de incentivo à leitura e bibliotecas públicas, quem aprende a ler não vai ter meios, ao sair da escola, para se desenvolver como leitor e como cidadão.”

 

CLUBE DE LEITURA

Durante o evento foi apresentado o Projeto Clube de Leitura, que é se formar grupos de leitura, da Fundação Palavra Mágica, uma instituição sem fins lucrativos que está abrindo cem núcleos desses somente em Ribeirão Preto.

 

Para a presidente da Fundação, Luciana Paschoalim, aproximar as pessoas dos livros significa abrir portas para uma vida melhor, mais livre e autônoma. “Nossa missão é gratificante, pois temos oferecido o que muitas pessoas nunca imaginaram poder ter, como seu valor na sociedade e sua autoafirmação como cidadã”, ressaltou.

 

Legenda da foto: Luciana Paschoalim, presidente da Fundação Palavra Mágica, professor Luís Cláudio, representante das Faculdades COC, e o palestrante Galeno Amorim

 

 

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"