vidaememoria
 

 

IDOSOS QUE VIVEM EM ASILOS RECLAMAM

DA ALIMENTAÇÃO OFERECIDA

Pesquisa mostra que a rotina alimentar institucionalizada, os cardápios rotineiros e a oferta insuficiente de hortaliças e frutas interferem negativamente na qualidade de vida dos idosos e aumentam risco de desnutrição.

 O envelhecimento da população brasileira surge acompanhado de uma transição social. A busca por asilos surge como uma alternativa para as famílias de baixa renda ou para idosos que perderam seus vínculos familiares. Porém, a mudança para a instituição impõe alterações na rotina diária desses idosos, que podem acarretar modificações de hábitos alimentares e fragilizar a saúde destes indivíduos. Nesse sentido, Odete Santelle e equipe da Universidade de São Paulo resolveram identificar alguns fatores psicológicos e sociais envolvidos no comportamento alimentar de moradores de instituições de longa permanência.

 De acordo com artigo publicado na edição de dezembro de 2007 dos Cadernos de Saúde Pública, “participaram quarenta idosos de ambos os gêneros, sem distúrbios cognitivos, residentes nas instituições há seis meses ou mais. Foram selecionados vinte idosos desnutridos ou em risco de desnutrição e vinte sem risco de desnutrição. Foram utilizadas entrevistas com roteiro semi-estruturado”.

 Os resultados mostram que, na percepção dos idosos, a rotina alimentar institucionalizada, os cardápios rotineiros e a oferta insuficiente de hortaliças e frutas interferem negativamente no processo de alimentação. Segundo os pesquisadores, “os idosos reconhecem que a alimentação equilibrada melhora a saúde e a qualidade de vida. Revelam que a inapetência de alguns está relacionada a comidas que não agradam ao paladar, problemas de saúde e à assistência inadequada durante as refeições”.

 De acordo com os especialistas, o estudo contribuiu para identificar fatores psicológicos e sociais que podem concorrer para a maior freqüência de desnutrição entre idosos institucionalizados. “A aceitação das refeições nas instituições de longa permanência para idosos poderá ser melhorada através do planejamento de cardápios que contemplem as preferências alimentares dos idosos e que atendam às suas necessidades nutricionais. É necessários dar atenção especial aos indivíduos que necessitam de alimentação assistida, possibilitando um estado nutricional equilibrado e uma melhor qualidade de vida para estes sujeitos”, ressaltam no artigo.

 Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism


ALIMENTAÇÃO DO IDOSO NA INSTITUIÇÃO ASILAR
ANA LUIZA REIS

Aproximadamente 5% das pessoas com 65 anos de idade ou mais são institucionalizadas, enquanto os restantes 95% vivem independentemente em saúde relativamente boa.

 Os residentes admitidos recentemente em casas de repouso são freqüentemente transferidos de um hospital após o tratamento de uma doença.

 Diante dos resultados observa-se que a dieta oferecida está adequada às necessidades nutricionais dos idosos assistidos com exceção do cálcio, necessitando aumentar a oferta de alimentos fonte deste mineral essencial.

 O equilíbrio dietético parcial encontrado não pode ser atribuído a todas as instituições, pois este resultado é fruto de um trabalho do Curso de Nutrição da Universidade do Vale do Itajaí. A assistência desempenhada contribui para a melhora da alimentação oferecida através de intervenções e dicas nutricionais.

 A maior dificuldade do oferecimento de uma alimentação adequada pelas instituições é o fato de dependerem de doações, havendo uma impossibilidade de planejamento de cardápio.

 Porém, alternativas para o aumento da ingestão calórica-nutricional devem ser utilizadas e recomendadas por nutricionistas para não prejudicar o estado nutricional dos idosos, como a adição de óleos vegetais crus e cereais (aveia) nas preparações.

 O cuidado nutricional de pessoas idosas institucionalizadas deve ser dirigido ao encontro de suas necessidades fisiológicas e psicológicas por um longo período de tempo. Estas necessidades mudam dependendo do processo de envelhecimento, exercício físico, doença aguda e crônica, uso de medicação e o estado emocional, mental e nutricional (desnutrição, normalidade ou obesidade).

 

NECESSIDADES DOS IDOSOS

Idosos requerem uma seleção cuidadosa de quantidade de nutrientes nos alimentos para encontrar suas necessidades nutricionais em poucas calorias. Ao mesmo tempo, que ocorre uma diminuição na necessidade energética, há um aumento da necessidade de vitaminas e minerais.

A dieta do idoso deve proporcionar uma boa ingestão de alimentos de maneira moderada, bem equilibrada e distribuída. Uma maneira de oferecer este tipo de dieta é através do Guia da Pirâmide de Alimentos adaptada aos idosos.

piramide-alimentar

 

O QUE SE CONSIDERA COMO UMA PORÇÃO


MASSAS, PÃES, ARROZ E CEREAIS:

Grupo rico em carboidratos que são os principais fornecedores de energia para o organismo.
- Uma porção corresponde: meio pão francês ou 1 fatia de pão ou meia xícara (chá) de arroz ou meia xícara (chá) de macarrão cozido.
Recomendado: 6 — 11 porções.


LEITE E DERIVADOS:

Grupo rico em proteínas que são nutrientes importantes para a formação e manutenção de células e tecidos.
- Uma porção corresponde: 1 copo de leite ou iogurte ou 1 fatia de queijo fresco.
Recomendado: 2 — 3 porções.

VERDURAS:

Grupo rico em vitaminas e minerais que atuam como intermediários de todas as funções orgânicas. Também é rico em fibras que ajudam a regularizar o intestino.
- Uma porção corresponde: 1 xícara (chá) de folhas cruas (agrião, rúcula, alface) ou meia xícara (chá) de verduras cruas ou cozidas (cenoura, batata, aipim).
Recomendado: 2 — 5 porções.

FRUTAS:

Grupo rico em vitaminas e minerais que atuam como intermediários de todas as funções orgânicas. Também é rico em fibras que ajudam a regularizar o intestino.
- Uma porção corresponde: 1 fruta fresca (maçã, banana, laranja) ou três quartos de xícara de (chá) de suco.
Recomendado: 2 — 4 porções.

CARNE, FEIJÕES E OVOS:

Grupo rico em proteínas que são nutrientes importantes para a formação e a manutenção de células e tecidos.
- Uma porção corresponde: 1 filé pequeno de carne, peixe ou ave ou 1 ovo ou meia xícara (chá) de feijão cozido.
Recomendado: 2 —3 porções
.

GORDURA, ÓLEOS E AÇÚCARES:

Grupo rico em gorduras que são fontes secundárias de energia; essenciais para o metabolismo de hormônios e para a veiculação das vitaminas A, D, E e K.
- Uma porção corresponde: 1 colher (sopa) de óleo, margarina ou maionese.
Recomendado: consumo moderado.

É importante que a instituição ofereca no mínimo, quatro refeições, utilizando pouco sal, por dia; descartando o excesso de gorduras, como peles de frango, por exemplo, a fim de reduzir o aparecimento de doenças crônico-degenerativas (hipertensão, câncer, doenças cardiovasculares).
É preciso distribuir água, sucos e chás para garantir a boa hidratação e melhorar o funcionamento intestinal e planejar preparações saborosas e de fácil mastigação para os idosos que possuam problemas na dentição.

Ana Luiza Reis, CRN2 5890D, é especialista em Nutrição Clínica pela UGF. Trabalha hà 5 anos na Secretaria Municipal de Saúde de Itajaí /SC.

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"