vidaememoria
 


O QUE COMER NO DIA-A-DIA
MYRIAN NAJAS

Hoje, a indústria alimentícia do Brasil vêem desenvolvendo muito a sua  tecnologia para oferecer alimentos mais adequados ao controle das doenças crônicas não transmissíveis como o Diabetes Mellitus, a Hipertensão Arterial, o Colesterol alto, que tem grande ocorrência na população idosa.

 Nas embalagens onde consta a denominação light encontramos bem discriminados os produtos com baixa quantidade de sódio como as sopas em pacotes, os queijos, as margarinas e manteigas sem sal, o molho inglês ou shoyo etc. ; assim como também naqueles onde as gorduras trans são retiradas ou a porcentagem de gordura é zero como os biscoitos doces ou salgados, os leites ou iogurtes.

Já nas embalagens onde encontramos a denominação diet, a indústria tem conseguido desenvolver produtos sem adição de açúcar que permitem ao idoso diabético manter bom índice de açúcar no sangue sem perder o prazer de comer.

O que também vem facilitando a vida dos idosos, principalmente nas grandes cidades, é o hábito comer em restaurantes por quilo. Neste locais é possível conseguir acrescentar no prato todos os grupos de alimentos necessários ao bom funcionamento do organismo como os alimentos fontes de carboidratos: arroz, batata, farofas, mandioca, milho; de proteínas como as carnes ou peixes ou frango ou ovos; alem dos legumes, verduras e frutas ricos em  vitaminas minerais e fibras. 

Outro beneficio destes restaurantes, é que ele obriga o idoso sair de casa e se relacionar com outras pessoas e mesmo sozinho dificilmente se sentirá só, consequentemente poderá manter seu apetite adequado.

Isso porque comer sozinho aumenta o risco de depressão, isolamento social e está ligado a um  preparo mais monótono dos alimentos, ou seja, passamos a comer muito mais carboidratos e gorduras ( arroz, massas, pães, miojos, lanches etc. ),  pois são mais fáceis de preparar e com o tempo isso pode levar a inapetência.

Mas, um alerta deve ser feito, nestes estabelecimentos por quilo os alimentos são produzidos com alto teor de óleo vegetal e portanto engordam muito, assim a quantidade deve ser sempre vigiada.

Todo idoso deve se lembrar que para manter boa qualidade de vida, além da alimentação adequada em quantidade e qualidade, também é importante manter o corpo em movimento e não se esquecer de tomar água diariamente.

Myrian Najas é Docente da Universidade Federal de São Paulo e presidente do Departamento de Gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriartria e Gerontologia

 

ALIMENTAÇÃO É IMPORTANTE FERRAMENTA
NO COMBATE AO ESTRESSE

Considerada a doença dos tempos modernos, o estresse atinge homens, mulheres, idosos e crianças, sendo reflexo da correria do dia-a-dia e da agitação da população das grandes metrópoles. Apesar de ser considerado por muitos um estado emocional negativo, o estresse é uma importante resposta do organismo para a manutenção da vida.

Porém, é preciso aprender a lidar com esse distúrbio. Pesquisas comprovam que o estresse é um dos principais responsáveis pelo aumento de produção de colesterol, assim como pode afetar alguns hormônios, levando ao aumento na fabricação de colesterol LDL e de triglicérides.

 Dores de cabeça, esquecimentos, batimentos cardíacos acelerados, mau humor, choros sem motivo, músculos doloridos ou mãos frias e úmidas podem ser alguns dos sintomas.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Nutrologia, Dr. Durval Ribas, diminuir essas manifestações orgânicas não é impossível e para isso algumas medidas anti-stress podem ser adotadas.

-“Primeiramente devemos manter uma rotina nos horários de alimentação, evitando longos intervalos entre uma refeição e outra. Seguir uma dieta saudável e balanceada evita a predisposição do organismo ao estresse. Além disso, é essencial para a prevenção de contratempos como constipação, diarréia, ganho ou perda de peso”, afirma.

Ainda segundo o Dr. Ribas, as vitaminas do complexo B são as mais eficazes para restabelecer a energia e recuperar o organismo fragilizado pelos sintomas do estresse. Entre elas, as mais importantes são as vitaminas B6, B3, B1 e B12, a vitamina C, encontrada nas frutas cítricas, e o ácido fólico, encontrado em alimentos como o brócolis, a lentilha e o feijão branco. Além do magnésio, conhecido como o mineral "anti-stress", por possuir propriedades que relaxam nervos e músculos. 

A ingestão de açúcar e cafeína em excesso também dispara reações desordenadas no organismo. Recomenda-se diminuir a ingestão de alimentos ricos em gordura saturada, que são de difícil digestão e interferem na atividade neural. Chá preto, café, refrigerantes de cola, bebidas alcoólicas, frituras e doces são consideradas bombas que podem desencadear ainda mais estresse.

"Quem está estressado deve prestar atenção nos alimentos que consome diariamente. É importante comer somente o suficiente, sem pressa, mastigando muito bem o alimento. Também é recomendado dar preferência à ingestão de vegetais folhosos, laranja, castanha-do-pará, peixes e frutos do mar", conclui Dr. Durval Ribas.

ALIMENTOS ANTI - ESTRESSE

Eis nutrientes de alguns alimentos, que combatem o mau humor, o cansaço, dão força, mais equilíbrio para o dia-a-dia e mais vigor.:

LARANJA O cálcio presente em sua composição é relaxante muscular e combate o estresse. Rica em vitamina C, cálcio e vitaminas do complexo B, a laranja ajuda o sistema nervoso a trabalhar adequadamente. Ela ainda é energética, prevenindo a fadiga.

UVA Energética também, a uva tem a vitamina C e os flavonóides da uva são antioxidantes, que retardam o envelhecimento da pele e ajudam a combater o colesterol.

 JABOTICABA Rica em vitamina de complexo B agem como antidepressivos. É rica em carboidratos, que fornecem energia e, por isso, reanimam. Contém ferro, que combate a anemia e vitamina C , que aumenta as defesas do organismo.

ESPINAFRE Esta verdura tem magnésio, folato e vitaminas A, C e do complexo B, que ajudam a estabilizar a pressão e garantem o bom funcionamento do sistema nervoso. Contém também potássio e ácido fólico, excelentes contra a depressão.

CARNE Apesar de muito combatida por alguns nutricionistas a carne de vaca tem aminoácidos que ajudam o cérebro a funcionar melhor. É rica em ferro e cobre, que combatem a anemia. E zinco, antioxidante que combate as radicais livres e retarda o envelhecimento. Possui niacina, uma vitamina do complexo B que, quando falta ao organismo, causa depressão.

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"