vidaememoria
 

 

 

OS BENEFÍCIOS DA CASTANHA-DO-PARÁ


Ela é a semente do ouriço, fruto da enorme Bertholettia excelsa, árvore originária do norte do Brasil e presente em toda a Amazônia. As castanhas são colhidas quando o ouriço -semelhante a um coco- cai. Dentro dele, 12 ou 24 castanhas ficam dispostas como gomos de mexerica, cobertas individualmente por uma casca resistente.

 

Segundo o "Pequeno Dicionário da Gula", de Márcia Algranti, a semente -conhecida por "Brazil nuts" no exterior- recebe outros nomes em sua região de origem: tocari, juviá e tururi. Ainda de acordo com a pesquisadora, da castanha ralada e misturada com água se obtém o "leite de castanha", ingrediente com o qual são preparadas diversas receitas típicas da região Norte do Brasil.

A castanha-do-pará é rica em selênio. Vale lembrar que o selênio, quando ingerido regularmente em grande quantidade, pode ser tóxico. Uma castanha possui 150 mcg do mineral, e a quantidade máxima recomendada é 400 mcg ao dia.

 

Em seu doutorado na USP, a nutricionista Vanessa Coutinho acompanhou esportistas que consumiram uma unidade diária de castanha-do-pará durante três meses e comprovou que a quantidade é suficiente para elevar as taxas de selênio a patamares adequados.

De acordo com o "Manual de Nutrientes - Prevenção das Doenças através dos Alimentos" (ed. Vozes), da nutricionista Eronita de Aquino Costa, os ácidos graxos encontrados na castanha corrigem males da pele e do cabelo e auxiliam no metabolismo lipídico, enquanto a vitamina E e o magnésio ajudam a elevar a taxa do colesterol HDL, protegendo as artérias e a circulação sangüínea.


Ele é um antioxidante muito importante, pois, com a vitamina E, protege as células dos danos provocados pelos radicais livres.

 

 

ALIMENTO COMO REMÉDIO

 

O sucesso da editora Marco Zero “Alimentos que curam” apresenta aos seus leitores combinações de alimentos que melhoraram a saúde de todos. Conheça a obra e descubra a cura a partir dos alimentos.

 

Que somos o que comemos, isso ninguém duvida, por isso, uma boa alimentação, além de certa, pode garantir uma saúde mais forte e uma vida mais feliz!

 

Preservar o nosso bem mais valioso e fortalecê-lo é uma busca constante da humanidade. Porém a solução para muitos problemas encontra-se dentro de nós, nas escolhas que fazemos quando nos alimentamos.

 

Alimentos que curam é um Guia único ilustrado que traça o perfil de 50 alimentos essenciais, detalhando como auxiliar a saúde e a vitalidade, seus valores nutricionais e as doenças que podem ajudar a prevenir ou aliviar.

  

Inclui planos de alimentação e conselhos sobre quais alimentos ingerir mais para ajudar em uma grande variedade de doenças.

 

Alimentos que curam de Miriam Polunin, da Editora: Marco Zero, tem 160 páginas e custa R$49,00

 

 

MÉDICOS E DEFESA DO CONSUMIDOR DEFENDEM PACTO SOCIAL PARA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

 

Um pacto nacional por uma dieta saudável para os brasileiros começou no final deste ano por iniciativa de presidentes e diretorias das representações nacionais dos profissionais de medicina – Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e Federação Nacional dos Médicos – de sociedades de especialidades, como a Nutrologia, a Pediatria, a Endocrinologia e a Cardiologia, além do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Sindicato dos Médicos de São Paulo, entidades de defesa do consumidor, entre outros.

 

 A Associação Paulista de Medicina (APM) e a PRO TESTE - Associação de Consumidores já vinham debatendo os problemas como a elevada quantidade de gordura, o abuso do uso de conservantes e o excesso de açúcar e sal em alimentos industrializados.

 

Esses diversos problemas em alimentos são recorrentes e já foram detectados nos testes comparativos feitos pela PRO TESTE. Na avaliação de 18 marcas de cereais matinais foram encontrados pouca gordura, muito açúcar e sódio que colocam em risco a saúde principalmente de crianças. Outras análises apontaram problemas semelhantes de desequilíbrio nutricional em iogurtes, batata fritas, picolés e achocolatados; além de  cafeína, açúcar e aditivos em refrigerante de cola e  excesso de edulcorantes na versão diet/light.

 

Em função disso, a Associação está lançando  campanha em favor de uma alimentação mais saudável para as crianças que incluem ações  pela modificação  pela indústria da composição dos produtos alimentícios destinados à infância, até a limitação da propaganda voltada a esse público. Prevê-se também a revisão da legislação e maior fiscalização do setor. Todo esse movimento é essencial para diminuir a incidência de como diabetes, hipertensão e obesidade.

 

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"