vidaememoria
 

           MANDELA E SEUS 90 ANOS                         home

 

O BRAVO NÃO É QUEM NÃO SENTE MEDO,
MAS QUEM VENCE ESSE MEDO.

NELSON MANDELA
90 ANOS DE VIDA

mandela

No dia 27 de junho último, o Congresso dos Estados Unidos aprovou uma iniciativa para tirar o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela de sua lista de terroristas, três semanas antes de o líder completar 90 anos .
"A aprovação deste projeto ajudará a apagar finalmente a enorme vergonha de ter desonrado este grande líder, ao havê-lo incluído na lista de terroristas de nosso Governo", afirmaram John Kerry, Bob Corker e Sheldon Whitehouse, promotores da iniciativa.
Este será o presente para o ex-presidente sul-africano Nelson Rolihlahla Mandela, que completa 90 anos, em 18 de julho. Ele nasceu em 1918 no pequeno vilarejo de Qunu, emUmtata, Tanskei. Aos sete anos, Mandela tornou-se o primeiro membro da família a freqüentar a escola, onde lhe foi dado o nome inglês "Nelson".

Em Londres, uma galeria de artes inaugurou uma exposição com 15 litografias assinadas por ele, além de fotografias do consagrado fotógrafo e artista plástico Jürgen Schadeberg, que acompanhou Mandela durante anos.

As litogravuras foram feitas por Mandela entre 2001 e 2002 e retratam os anos em que ficou preso. Muitas delas fazem referência à prisão de segurança máxima de Robben Island, na África do Sul, onde ele passou 18 dos 27 anos de cárcere.


BIOGRAFIA

Mandela foi condenado à prisão em 1964. Principal representante do movimento anti-apartheid, considerado pelo povo um guerreiro em luta pela liberdade, era tido pelo governo sul-africano como um terrorista e passou quase três décadas na cadeia. Ele só foi libertado em 1990, tornando-se, em 1994, o primeiro presidente negro da África do Sul.  

Com 19 anos, em 1934, Mandela mudou-se para Fort Beaufort, cidade com escolas que recebiam a maior parte da realeza Thembu, e ali tomou interesse no boxe e nas corridas. Após se matricular, ele começou o curso para se tornar bacharel em direito na Universidade de Fort Hare, onde conheceu Oliver Tambo e iniciou uma longa amizade.

Como jovem estudante do direito, Mandela se envolveu na oposição ao regime do apartheid, que negava aos negros (maioria da população), mestiços e indianos (uma expressiva colônia de imigrantes) direitos políticos, sociais e econômicos. Uniu-se ao Congresso Nacional Africano em 1942, e dois anos depois fundou com Walter Sisulu e Oliver Tambo, entre outros, a Liga Jovem do CNA.

Depois da eleição de 1948 dar a vitória aos afrikaners (Partido Nacional), que apoiavam a política de segregação racial, Mandela tornou-se mais ativo no CNA, tomando parte do Congresso do Povo (1955) que divulgou a Carta da Liberdade - documento contendo um programa fundamental para a causa anti-apartheid. Em 1961, ele se tornou comandante do braço armado do CNA, e coordenou uma campanha de sabotagem contra alvos militares e do governo e viajou para a Argélia para treinamento paramilitar.

Comprometido de início apenas com atos não-violentos, Mandela e seus colegas aceitaram recorrer às armas após o massacre de Sharpeville, em março de 1960, quando a polícia sul-africana atirou em manifestantes negros, matando 69 pessoas e ferindo 180.

Em agosto de 1962 Nelson Mandela foi preso após informes da CIA à polícia sul-africana, sendo sentenciado a cinco anos de prisão por viajar ilegalmente ao exterior e incentivar greves. Em 1964 foi condenado a prisão perpétua por sabotagem (o que Mandela admitiu) e por conspirar para ajudar outros países a invadir a África do Sul (o que Mandela nega).

Mandela continuou na prisão até fevereiro de 1990, quando a campanha do CNA e a pressão internacional conseguiram que ele fosse libertado em 11 de fevereiro, aos 72 anos, por ordem do presidente Frederik Willem de Klerk. Os dois dividiram o Prêmio Nobel da paz em 1993.

Como primeiro presidente negro da África do Sul, Mandela comandou a transição do regime de minoria no comando, o apartheid, ganhando respeito internacional por sua luta em prol da reconciliação interna e externa.

Ele recebeu muitas distinções no exterior, incluindo a Ordem de St. John, da rainha Elizabeth 2ª., a medalha presidencial da Liberdade, de George W. Bush, o Bharat Ratna (a distinção mais alta da Índia) e a Ordem do Canadá.

Em junho de 2004, aos 85 anos, Mandela anunciou que se retiraria da vida pública. Fez uma exceção, no entanto, por seu compromisso em lutar contra a AIDS.

_________________________

Direitos autorais (Lei federal nº 9.610/98) - Quando da utilização de material  deste site, deve ser feita a seguinte referência: "extraído de www.idademaior.com.br"